publicado dia 22/10/2020

Caminhos para a BNCC de Ciências Naturais: por um ensino diverso e contextualizado

por

Para colaborar com a disseminação de um ensino de Ciências Naturais mais diverso, significativo e contextualizado, o Centro de Referências em Educação Integral (CR) lança hoje a publicação “Caminhos para a BNCC de Ciências Naturais“. 

Leia + 4 práticas pedagógicas diferentes para as aulas de Ciências

Ancorado na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e nos princípios da Educação Integral, o documento foi elaborado em parceria com a secretaria municipal de Educação de Santos (SP) e o British Council, e traz referências teóricas e práticas para uma escrita curricular que crie oportunidades de desenvolvimento das identidades, da criatividade e das habilidades de investigação, análise, sistematização e comunicação de conhecimentos.

“Os estudantes que estão nas salas de aula hoje nasceram na era digital e tecnológica, com amplo acesso a informações. Isso significa que é mais importante que, na escola, eles aprendam como a Ciência produz, comunica e avalia conhecimentos científicos, para que eles tenham ferramentas para ler, interpretar e dar sentido ao mundo, do que simplesmente acessem esses conhecimentos. Essa é a natureza da alfabetização científica”, afirma Natália Ferreira Campos, pesquisadora do CR.

Essas demandas se mostraram ainda mais relevantes neste ano, quando a pandemia do novo Coronavírus disparou a produção e o consumo de uma série de notícias e informações, exigindo de todos nós, imersos em um cenário de descrédito dos argumentos científicos, o constante exercício de diferenciar informações baseadas em evidências das informações falsas.

“Essa área do conhecimento traz uma narrativa importante para o nosso progresso enquanto coletivo, expresso na proteção da biodiversidade e do desenvolvimento científico-tecnológico”, diz Luis Serrao, gerente de Educação Básica do British Council.

A chamada alfabetização científica, de acordo com a publicação, deve dialogar com as identidades e diversidades para estimular o interesse dos estudantes pela área e para que eles possam ter uma atuação transformadora, ajudando a construir uma sociedade mais justa, democrática e inclusiva.

Quer saber mais sobre igualdade de gênero na Ciência? Confira o material didático do British Council “Meninas na Escola, Mulheres na Ciência – Ferramentas para Professores da Educação Básica”, que reúne técnicas e recursos que podem ser usados para incentivar o gosto e o interesse de meninas por matérias nas áreas de STEM. 

“Um ponto central desse documento é o fortalecimento da participação das mulheres e de pessoas negras nas Ciências, face a um predomínio de pesquisadores homens e de pessoas brancas. E isso começa desde o Ensino Fundamental, quando as famílias e professores valorizam mais os meninos, ou trazem referências midiáticas que só mostram cientistas brancos”, explica Natália Campos.

Por isso, a proposta é que educadores e gestores avaliem os projetos já realizados na escola e possam reconhecer e valorizar as boas práticas, e rever e reelaborar a matriz curricular, os projetos político-pedagógicos e os planos e estratégias de ensino.

“Trata-se de uma orientação clara para caminhos possíveis. Uma base, não uma receita, para inspirar em nossas crianças e adolescentes o gosto pela Ciência como uma das formas de entender e construir o nosso mundo” pontua Luis Serrao.

O Currículo na Educação Integral

O Caderno de Ciências Naturais faz parte da plataforma Currículo na Educação Integral, que apresenta um conjunto de referenciais e instrumentos elaborados pelo Centro de Referências, em parceria com o British Council, com o objetivo de apoiar a elaboração de currículos alinhados à Educação Integral, assim como a implementação da BNCC das áreas de Língua Inglesa e Ciências Naturais. Consolida o acervo, uma publicação sobre Avaliação na Educação Integral.

Assista ao evento de lançamento da publicação

Astronomia para crianças: o ensino das ciências pelo fascínio