publicado dia 13/02/2020

Escolas cívico-militares prometem educação integral, mas distanciam-se dessa proposta

por

Em fevereiro, o Ministério da Educação (MEC) divulgou o Regulamento das Escolas Cívico-Militares, que rege como devem funcionar as 54 instituições de ensino contempladas pelo Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (PECIM).

Leia + As diferenças entre escola militar, cívico-militar e pública

A introdução desse documento afirma que o objetivo dessas escolas é promover a autonomia, o desenvolvimento integral, a gestão democrática, o respeito às diferenças, e o preparo para a vida em sociedade. Mas esse discurso não encontra respaldo no que o restante do manual propõe. 

Divulgado em 2019, o PECIM contou com a adesão de 645 (11,5%) municípios brasileiros. O programa visa dividir entre militares da reserva e civis a gestão administrativa e educacional de escolas públicas de Ensino Fundamental II e Médio. Na seleção das instituições que começam a funcionar este ano, o MEC priorizou escolas em áreas de vulnerabilidade econômica e social, e maior quantidade de alunos. A meta do governo é implementar 216 escolas cívico-militares até 2023.

Em mais de 300 páginas, o guia estipula dentre outras regras que os estudantes estarão submetidos a um sistema de pontos numéricos para elogios e repreensões, com prêmios e castigos, e a direção poderá acionar o Ministério da Defesa ou as forças de segurança estaduais ou municipais em casos de conflitos escolares. Há, ainda, regras específicas para cortes de cabelo e uniforme, com uso obrigatório de uma boina, e pouco espaço para participação estudantil.

“O manual é ambíguo, fala em educação integral mas não se aproxima dessa proposta. É uma concepção de educação mais autoritária, que tenta introjetar as normas pelo constrangimento, e não pelo convencimento, pelo diálogo”, analisa Romualdo Portela de Oliveira, especialista em qualidade da educação básica e diretor de Pesquisa e Avaliação do CENPEC, o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária. 

Para Telma Vinha, professora na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e especialista em psicologia educacional, o sistema de recompensas é frágil, porque faz com que os estudantes busquem prêmios e evitem punições, em lugar de aprenderem mecanismos de autorregulação, refletindo sobre as consequências dos comportamentos para si e para o outro. Uma vez fora da escola, onde as margens da vigilância são mais largas, pode ser mais difícil aprender a se regular sozinho.

“Nesse modelo de escola não há espaço para tomar decisões, colocar conflitos e chegar em soluções cooperativas e argumentar. É uma escola que forma para a obediência à autoridade, e não para as leis e princípios que valem para qualquer ser humano, indo inclusive na contramão da tendência mundial de promover uma educação para a autonomia e o convívio com a diversidade”.

Além disso, aponta Cleuza Repulho, ex-presidente da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), “essas questões precisam ser resolvidas por educadores. Polícia e exército têm outras funções, e não têm o preparo para isso”.

Ambientes de exclusão e violência

As escolas cívico-militares não vão promover qualquer tipo de processo seletivo para ingresso nas unidades. Ainda assim, outros mecanismos podem operar pela exclusão dos estudantes.

A partir da análise de outras escolas que já funcionam nesse modelo, a professora da UNICAMP observa que a seleção ocorre dentro da escola: são convidados a se retirarem os alunos que não se adequam ao padrão estético e comportamental imposto ou não atingem as notas esperadas, por qualquer motivo que seja. “Que escola pública é essa que não dá conta de lidar com todo e qualquer aluno?”.

Também pode colaborar para a exclusão de estudantes a cobrança de mensalidades. Ainda que o Supremo Tribunal Federal tenha autorizado a prática somente em escolas militares, algumas das cívico-militares seguem por um caminho similar: “Uma doação mensal voluntária é incentivada fortemente nestas instituições”, afirma Telma. 

Preocupa, ainda, a série de denúncias de abusos e violações contra crianças e adolescentes em escolas militares só no Amazonas, por exemplo, foram encaminhados ao Ministério Público 120 casos de assédio moral, sexual e violências, que recaem sobre nove colégios militares do estado.

“Que escola pública é essa que não dá conta de lidar com todo e qualquer aluno?”, questiona Telma Vinha

“É terreno fértil para abuso de autoridade, e que pode promover um aparente clima de harmonia e segurança, mas que não forma as pessoas para o respeito com o outro, e tampouco resolvem os problemas no entorno da escola. Então essas crianças e adolescentes continuam submetidas a violências do portão para fora”, afirma Telma, em referências às escolas que se abrem para a comunidade e, a partir da construção dessa relação, amenizam as violências em seu entorno, e contra a própria instituição.

Outro trecho do documento proíbe professores e alunos de expor a escola e seus integrantes nas mídias sociais. Se, por um lado, isso pode funcionar como prevenção ao bullying digital, por outro há margem para tolher a liberdade de expressão e eventuais denúncias que possam surgir.

“Quando eles fazem busca em redes sociais, eles violam a privacidade dos alunos e restringem a liberdade de expressão. Quando eles impõem um padrão estético, eles ferem o ECA [Estatuto da Crianças e do Adolescente], que garante o direito à identidade”, analisa Telma. 

Uma fachada falaciosa

A propagação das escolas cívico-militares tem se apoiado fundamentalmente em dois pilares. Um deles é o falso paralelo com as escolas militares mais reputadas, que em geral demonstram bom desempenho acadêmico. 

“Mas essas são escolas que fazem seleção no ingresso, e ficam só com os melhores alunos, que em geral tem um nível socioeconômico mais alto. Além disso, elas têm uma infraestrutura exemplar, muito investimento, e profissionais bem remunerados, coisa que as escolas públicas comuns não têm”, explica Romualdo.

O outro pilar é o discurso de maior segurança e ordem para que as atividades na escola funcionem, uma preocupação legítima por parte de tantos professores e famílias abandonados pelo Estado. “O problema é que isso é imposto, e algumas vezes coercitivamente, quando existem outras maneiras de se atingir esses mesmos objetivos”, explica Romualdo.

Alternativas

A partir de sua experiência com diversas redes de educação, Cleuza Repulho, que foi presidente da Undime, aponta caminhos para lidar com as questões de violência e indisciplina, como construir as regras de convivência e de vestimenta com os estudantes, a partir de rodas de conversa. Isso garante que as normas façam sentido para os alunos, gerando mais responsabilidade sobre seu cumprimento.

Leia + Como lidar com a questão da disciplina e da violência dentro do espaço escolar

Quando vamos combinar regras de convivência com crianças, no começo elas são muito rígidas nas punições se falar palavrão, tem que ser expulso da escola mas, com o passar do tempo, elas vão percebendo que é injusto, e começam a dosar as regras para poder fazer com que a escola funcione melhor sem precisar punir ninguém”, diz Cleuza.

“O grande legado da educação é ensinar a conviver, e não a punir quem é diferente”, diz Cleuza Repulho

E quando esse mecanismo não resulta em melhora de comportamento, é preciso investigar o que está acontecendo na vida daquela criança ou adolescente que, quase sempre, está reproduzindo violências que vive em casa, na comunidade ou na própria escola. 

“A escola, por definição, é um lugar de conflitos, porque é o espaço onde crianças e jovens, vindas de diferentes famílias e com jeitos muito diversos de lidar, se encontram. E é assim que vamos aprendendo a lidar com a diversidade. O grande legado da educação é ensinar a conviver, e não a punir quem é diferente”, analisa.

Desvalorização da escola pública opera pela militarização e privatização da educação