publicado dia 26/09/2019

Bernardo Toro e a educação para o contexto das mudanças climáticas

por

Inundações, secas extremas, perda de biodiversidade, alterações no ecossistema, e redução de áreas férteis para agricultura. Estas são algumas das consequências das mudanças climáticas, que delineiam o cenário que aguarda os que hoje são crianças, e para qual a escola deve prepará-las.

Leia + Como trabalhar a Educação Ambiental para além da horta e coleta seletiva?

A previsão dessas alterações foi feita pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), em relatório divulgado em 2018. Nesta quarta-feira, 25, um novo estudo publicado pelo órgão aponta que, em decorrência do aumento da temperatura média do planeta, os oceanos estão mais quentes, mais ácidos e menos produtivos e o nível do mar está aumentando 3,6 milímetros por ano – o dobro da elevação constatada no último século inteiro. 

O que é o IPCC? É um órgão criado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU) em 1988. Ele não conduz pesquisas, mas analisa e compila informações científicas, técnicas e socioeconômicas produzidas por cientistas de 195 países. Assim, o IPCC traz consensos da comunidade científica global sobre as mudanças climáticas.

“A crise climática é o que aconteceu de mais grave, e será o mais importante para o futuro da espécie humana. Ela vai nos acompanhar para o resto do tempo que estivermos aqui, e traz fortes implicações para a nossa forma de pensar, agir, sentir, educar, produzir e consumir”, afirmou o filósofo e educador colombiano Bernardo Toro durante o 5º Seminário Internacional de Educação Integral.

Para orientar como viver nessa nova situação, que vai impor mudanças estruturais no mundo inteiro, mas também para fortalecer a democracia desde já, o especialista aponta o cuidado como principal ferramenta. “Saber cuidar, dialogar, ter respeito, hospitalidade, e saber fazer transações ganha-ganha. Esse é o universo de valores compõem essa cosmovisão.” 

Bernardo Toro durante o 5o SIEI

Bernardo Toro durante o 5o SIEI

Crédito: Ingrid Matuoka

O cuidado com o corpo

Nas escolas, as aulas de teatro, de esportes, que envolvem o uso corpo, são vistas como extracurriculares em relação às aulas do currículo regular. “Isso significa que o nosso corpo é extracurricular, e que nosso cérebro é o mais importante. Mas não é. E nisso a educação integral sai na frente”, diz Toro. 

Outro ponto importante sobre ensinar a cuidar do corpo, da saúde, e da expressão corporal, tem relação com o enfrentamento à violência. “Países violentos são os que não nos ensinaram o valor e cuidado com o corpo.” 

O cuidado com o espírito

O conceito de cuidado com o espírito, na perspectiva de Toro, abrange todas as religiões e espiritualidades, porque é regido pela capacidade que uma pessoa ou um grupo tem de trabalhar para evitar ou diminuir a dor dos demais.

Trata-se ainda, de ser capaz de autorregulação para obter liberdade. No caso das mudanças climáticas, exemplifica o especialista, isso seria necessário para aprendermos a viver com a escassez de recursos e alimentos.

“Também precisamos educar as crianças para serem conscientes com seus sentimentos aflitivos, porque ter consciência deles permite controlá-los.”  

Cuidar de quem está próximo

A taxa de suicídio e depressão entre os jovens tem crescido pelo mundo todo. Para Toro, isso deriva da falta de vínculos, da capacidade de fazer amigos e estabelecer relações de parcerias estáveis.

Na escola, cuidar do vínculo é garantir aulas seguras, que todas as perguntas sejam respondidas, que ninguém sofra bullying, que toda forma de existência e expressão sejam válidas, e que as famílias desses alunos também sejam respeitados em suas maneiras de ser. 

“Isso gera segurança na escola e vínculo com a sociedade. E o resultado é que dificilmente vão causar danos a bens públicos, porque se sentem pertencentes. Esse vínculo é fundamental para viver em qualquer lugar do mundo, é reconhecer a si e ao outro.”

Leia+: A importância de debater saúde mental na escola 

Cuidar de quem está distante 

Em um contexto de mudanças climáticas, as migrações devem se intensificar, sobretudo em busca de água potável, algo que a América Latina possui em abundância. “América Latina será o centro da imigração nas próximas décadas. Estamos preparados para isso? Vamos formar nosso espírito de hospitalidade ou vamos matar a todos?”

Assim, saber cuidar de quem é diferente, e respeitar essa diversidade, será um imperativo que pode fortalecer a democracia. “Temos que criar e cuidar de redes de apoio social e profissional, pertencer a organizações, e ter um comportamento inclusivo em todos os aspectos. Nós temos que reconhecer a humanidade como uma espécie.”

O cuidado com o intelecto

“Sem um sistema educacional de alta qualidade, não vamos conseguir mudar as formas de pensar das crianças para enfrentarem as mudanças climáticas”, argumenta Toro. Assim, ele sugere o fortalecimento de uma rede única de educação, sem distinções entre privado e público. “Precisa ser para todos.”

E na concepção pedagógica, ele recomenda que se renuncie à noção de inteligência como propriedade pessoal, privada e interna, que se manifesta no desempenho em provas, e tem caráter competitivo e excludente.

Em lugar disso, seria necessário um altruísmo cognitivo, de aceitação da debilidade e da cooperação humana, desenvolver a capacidade de buscar ajuda para as tentativas de solução de um problema, e de usar continuamente o intelecto em benefício próprio e dos demais. “A educação é um fator estratégico de nação, sem isso não há país”, finaliza. 

Bernardo Toro é diretor da Fundación AVINA (Colômbia) e membro do Conselho Internacional do Instituto Ethos, e já atuou como assessor dos Ministérios da Educação e Comunicações da Colômbia, Brasil e México, entre outros países.

7 experiências educativas que discutem sustentabilidade