6° Prêmio Territórios Tomie Ohtake

publicado dia 15/07/2022

Jaqueline Moll defende educação integral para garantir direitos e reconstruir o país

por

“Com a retomada do projeto democrático, o centro da nossa preocupação deve ser construir uma escola pública que seja de fato para todos e todas.” Foi esse o chamado da Profª Jaqueline Moll aos cerca de 200 educadores e educadoras que se reuniram na sede da reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal, na tarde de quinta-feira (14/7).

Leia + Ex-ministro, Renato Janine defende que Brasil supere projeto de desigualdade e retome investimentos na educação

A fala da professora aconteceu durante a conferência A formação integral do sujeito: espaços-tempos de aprendizagens na escola de dia completo e de currículo integral, como parte da Jornada de Educação Integral na Conferência Nacional Popular de Educação (Conape), que acontece em Natal, entre 15 e 17 de julho.

Pesquisadora e professora Titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Jaqueline Moll atuou como diretora de Currículos e Educação Integral da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), onde foi responsável pelo desenho e implementação do Mais Educação, programa que chegou a mais de 60 mil escolas brasileiras impulsionando a Educação Integral.

imagem

A professora Jaqueline Moll durante a Jornada de Educação Integral

Crédito: Geovar

Reafirmando os postulados de Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro, Paulo Freire e Maria Nilde Mascellani, Jaqueline retomou a trajetória da Educação Integral no Brasil, segundo ela, violentamente interrompida por projetos conservadores que assolaram o país em três ocasiões: 1937, 1964 e, mais recentemente, em 2016, com o impeachment da então presidenta Dilma Rousseff.

Apesar do desmantelamento histórico das políticas de educação integral, Jaqueline ressaltou o papel que os Comitês Territoriais cumpriram na continuidade das ações em nível local, sustentando a Educação Integral nas escolas e territórios. “É o caso do Comitê Territorial do Rio Grande do Norte, que manteve viva essa agenda na região”, acrescentou.

Fruto do programa Mais Educação, os Comitês Territoriais de Educação Integral tinham o objetivo de propor, implementar, acompanhar e fortalecer políticas públicas de educação integral nos estados e municípios. Eles eram um espaço de gestão democrática que promovem um regime de colaboração entre a Secretaria de Educação e as demais secretarias, seus parceiros e a sociedade como um todo. Com o fim do programa, muitos desses comitês se converteram em coletivos e movimentos sociais que asseguram a promoção da agenda de educação integral em seus territórios.

Diante das atuais condições socioeconômicas das famílias pobres brasileiras, Jaqueline defendeu que “cada trajetória humana é sagrada” e “toda criança e jovem que a gente perde para a evasão ou reprovação é a sociedade inteira quem perde.” De acordo com ela, para reverter o estado de miséria e violação de direitos ampliado nos últimos anos, serão necessárias “políticas integradas e integradoras” que possam construir soluções intersetoriais nos territórios, visando à proteção integral das comunidades.

Com relação às escolas, a professora ressaltou a necessidade de que, em oposição ao individualismo e às diferentes formas de discriminação, como o racismo, a homofobia e o machismo, as escolas reafirmem seu compromisso com uma formação humana, que extrapole os aspectos técnicos e esteja fundamentada na omnilateralidade. O diálogo com o território e suas múltiplas expressões também é imprescindível para o que Jaqueline define como sendo o principal desafio hoje: a desconstrução do “edifício colonial” que forja a educação brasileira.

Educação Integral na prática

A Jornada teve continuidade com uma roda de conversa, realizada no Instituto do Cérebro da UFRN, que contou com a participação de diferentes municípios potiguares, compartilhando suas experiências na implementação de políticas de Educação Integral.

imagem

Grupo de teatro da Escola Municipal Trindade Campelo que fez uma apresentação de coco de roda durante o evento da Jornada de Educação Integral

Crédito: Raiana Ribeiro

Como expressão dessas práticas na região do Seridó, o grupo de teatro da Escola Municipal Trindade Campelo, localizada no bairro das Artes, em Currais Novos (RN), reuniu crianças e adolescentes em uma apresentação de coco de roda, manifestação tradicional do sertão nordestino cultivada pela escola a partir da valorização dos saberes e culturas locais.

A Jornada de Educação Integral, promovida pela UFRN em parceria com a Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio Grande do Norte e colaboração do Observatório Nacional de Educação Integral, Comitê Territorial de Educação Integral do Rio Grande do Norte, Associação Cidade Escola Aprendiz e Conexão Felipe Camarão, continua com sua programação até sábado e pode ser assistida online através do canal no YouTube.

Assista ao evento na íntegra:

Conheça três experiências de educação integral na Bahia

As plataformas da Cidade Escola Aprendiz utilizam cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade.
Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições.