publicado dia 04/11/2021

Participe do mapeamento de grêmios e coletivos escolares na Amazônia

por

Grêmios e coletivos escolares são fundamentais para garantir a participação dos estudantes nas tomadas de decisões da escola, como pede a gestão democrática. Para mapear e conhecer mais sobre as formas de organização dos estudantes, a Campanha Nacional Pelo Direito à Educação lançou o Projeto Euetu – Mapeamento de Grêmios e Coletivos Estudantis na Amazônia.

Leia + Gestão democrática: como ouvir jovens na escola?

As informações e dados serão coletados por meio de um chatbot (robô de bate-papo) que funciona no WhatsApp e no Messenger do Facebook, tanto no celular quanto no computador. O nome escolhido para o robô é Euetu, que na língua do povo Sateré-Mawé, do Amazonas, significa vento.

Estudantes e educadores(as) das redes municipais e estaduais de 49 cidades do Amazonas, Amapá e Maranhão podem participar. Em uma segunda fase do projeto, essa possibilidade será expandida para o restante do Brasil.

Acesse divulgue o Euetu: https://wa.me/5511987937711

O desenvolvimento da ferramenta foi realizado pela Cooperativa EITA e pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação, e é uma estratégia que contempla populações que não têm acesso à banda larga e possibilita a comunicação pelo celular com baixo uso de dados de internet.

Um dos objetivos do projeto é qualificar dados sobre a organização dos estudantes em espaços de participação escolares, podendo assim identificar grupos estudantis e formas de atuação para a promoção da gestão escolar inclusiva e democrática.

Os Comitês Regionais da Rede da Campanha, presentes em cada um dos estados designados no projeto – assim como em todas as unidades federativas do Brasil -, contribuirão para a implementação do projeto trazendo expertise em articulação das redes locais.

Ainda, o projeto conta com apoio da Porticus e de outras organizações parceiras na divulgação da pesquisa, como Aprendiz, Comunidade Educativa CEDAC, Flacso Brasil, Instituto Alana, Unicef, entre outras.

*Foto do chatbot: Tânia Rego/Agência Brasil

Gestão democrática: como escutar as crianças na escola?