publicado dia 14/07/2020

“Nenhum ministro de Bolsonaro atenderá às demandas pelo direito à educação”, diz Daniel Cara

por

Milton Ribeiro é o novo ministro da Educação. Pastor da Igreja Presbiteriana, teólogo e doutor em Educação, ele foi nomeado por Jair Bolsonaro, por meio das redes sociais, no final da tarde de sexta-feira 10/7, e já causou polêmicas.

Leia + Garantia de direitos deve ser a prioridade na reorganização do calendário escolar, diz Macaé Evaristo

O quarto gestor do Ministério da Educação (MEC) do atual governo aparece em um vídeo gravado durante um culto, em 2018, afirmando que “as universidades” ensinam “prática totalmente sem limites do sexo“, e em outro, de 2016, defendendo castigos físicos para crianças

Nenhum ministro de Bolsonaro atenderá às demandas pelo direito à educação, de democratizar o ensino e garantir a permanência e aprendizagem. Não tem nenhum tipo de possibilidade e espaço dentro desse governo para isso se realizar”, avalia Daniel Cara, Coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Os desafios para o MEC

Se nomeado formalmente, Milton Ribeiro assumirá o MEC em meio aos desafios impostos pela suspensão das aulas presenciais, além de conduzir a reabertura dos estabelecimentos de educação. 

“Mas isso não tem sido planejado com nenhuma segurança. Precisamos, em contato com infectologistas e autoridades de saúde pública, e observando países como Espanha, França, China, decidir em que medida pode ser dar o retorno. Mas nas condições atuais do Brasil, isso está muito distante”, afirma Daniel.

Outro obstáculo é recuperar as perdas arrecadatórias que estados e municípios sofreram durante o período de isolamento social, e acompanhar a votação de um Fundeb permanente. O Fundo, que é a principal fonte de recursos para a educação pública no país, se encerra no final deste ano. Se não for renovado, 40 milhões de estudantes serão impactados. 

Em alguns lugares do país, o Fundeb representa mais de 80% dos recursos disponíveis para a educação. “O MEC também precisa retomar os investimentos nas universidades públicas e reconstruir a parceria com estados e municípios”, reforça Daniel.

Por que a escola brasileira precisa discutir gênero e orientação sexual