publicado dia 05/07/2021

Mapeamento aponta obstáculos à participação política dos jovens e como superá-los

por

A Ashoka, rede global de empreendedorismo social, com o apoio Open Society Foundations, publicou em junho de 2021 o estudo “Jovens transformadores para o futuro da democracia: mapeamento de inovações sociais“, a partir da escuta de 123 empreendedores sociais e jovens.

Leia + A escola pós-pandemia que as juventudes almejam

O levantamento identifica os entraves à participação cidadã dos jovens, os caminhos para superá-los e relata como inovações sociais já em curso, criadas por empreendedores sociais e jovens transformadores, garantem mais participação política.

O objetivo é estimular que mais jovens, independentemente de sua origem, possam participar na formação das decisões e políticas que impactam suas vidas, bem como apresentar um conjunto de estratégias inovadoras para permitir uma sociedade mais inclusiva e justa.

Dentre os obstáculos, indicam fatores como a falta de espaços e oportunidades para aprender e praticar a cidadania, choque cultural entre as instituições tradicionais e a juventude, e a exclusão e a discriminação em múltiplos níveis.

Entre as soluções, propõem a criação de espaços de participação e encontro dos cidadãos, dar aos jovens oportunidade para gerar mudanças, com foco no local e no tangível e cultivar uma nova mentalidade centrada na liderança compartilhada, na diversidade e no coletivo.

O lançamento do estudo contou com a participação dos jornalistas Leonardo Sakamoto e Mariana Belmont, Iago Hairon, conselheiro do Engajamundo, Juliana Marques, co-fundadora do Movimento Mulheres Negras Decidem, Wesley Teixeira, idealizador do Movimenta Caxias, Gelson Henrique, cientista social e idealizador do CIJoga – Caravana Itinerante da Juventude, Aquataluxe Rodrigues, da Comissão da Juventude do Olodum, Ana Paula Freitas, advogada e coordenadora de Programas da Rede Liberdade, Ednei Arapiun coordenador do Conselho Indígena Tapajós Arapiuns, Isabela da Cruz, ativista pela promoção dos direitos das populações quilombolas, Bruno Souza, fundador do Núcleo de Jovens Políticos, Ivana Bentes, professora Titular da Escola de Comunicação da UFRJ, e Helena Singer, doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo.

Confira o evento na íntegra:

Com pandemia, reinvenção marca rotina de escolas e projetos liderados por jovens