publicado dia 20/12/2018

9 livros protagonizados por crianças e adolescentes

por

A literatura tem o poder de nos transportar para outras épocas e espaços, e nos dá a oportunidade de refletir sobre como éramos quando crianças e adolescentes ou ainda como se vivencia esses períodos na atualidade a depender do olhar.

Leia + Autores da língua portuguesa que versaram sobre a literatura infantil

Por isso, o Centro de Referências em Educação Integral selecionou uma série de obras protagonizadas por crianças e adolescentes, que narram seus sentimentos e percepções de mundo. Confira:

Depois, por Laurent Moreau

Como as crianças sentem o passar do tempo? E como são os ciclos naturais para elas? E o descobrimento de que ações trazem consequências? Este livro infanto-juvenil procura algumas dessas respostas, também na tentativa de captar os sentimentos da infância.

Um, Dois e Já, por Ines Bortagaray

A história é narrada em primeira pessoa por uma menina que conta a viagem de verão da família pelo Uruguai e suas reflexões sobre seu lugar na família como irmã do meio. As disputas, estratégias, alianças e brigas pela atenção do pai dão o ritmo da trama. Em momentos de silêncio, ela cria histórias, analisa o pai e a mãe, e pensa nas pequenas perdas da vida.

Manuelzão e Miguilim, por Guimarães Rosa

Nesta espécie de biografia da infância, o menino Miguilim experimenta diversas situações típicas das crianças, como os medos e as brincadeiras, enquanto aprende sobre o mundo e sobre como crescer também é perder a ingenuidade e atravessar momentos de dor.

A amiga genial, por Elena Ferrante

A primeira obra desta série de quatro livros se dedica a narrar a história de duas meninas que se tornam amigas, e toda a trajetória dessa relação que vive entre a afeição e a rivalidade, além de como lidam com as famílias, a chegada da adolescência e dos primeiros namorados.

Infância, por Graciliano Ramos

Nesta autobiografia, revelam-se os sentimentos e pensamentos que habitam uma criança oprimida e humilhada diante dos adultos. Graciliano Ramos também enlaça memórias pessoais aos problemas sociais de seu meio.

A brincadeira favorita, por Leonard Cohen

O livro acompanha a trajetória de Lawrence Breavman, dando foco para sua adolescência, período em que perde o pai, elabora suas primeiras experiências sexuais e dúvidas existenciais. Narrado em terceira pessoa, o livro é dividido em capítulos curtos, permeados por humor e densidade poética.

Para todos os garotos que amei, por Jenny Han

Em um livro leve, a autora conta a história de uma adolescente que escrevia cartas de amor para os garotos de que gostava, mas nunca entregava. Até que elas são enviadas a eles repentinamente. Nesse processo, ela começa a enfrentar seus medos e a lidar com o equilíbrio entre suas vontades e o que seus colegas esperam dela. A obra também deu origem a um filme disponível na Netflix.

O menino de vestido, por David Walliams

A vida de Dennis não é fácil: abandonado pela mãe, não se entende com o irmão e vê o pai imerso em uma depressão. Só duas coisas o fazem feliz jogar futebol e olhar roupas bonitas. Quando faz amizade com Lisa e experimenta um vestido pela primeira vez, sua vida se transforma.

As meninas, por Lygia Fagundes Telles

Três meninas e seus mundos internos são retratados nesta obra. Juntas, elas resolvem o passado e evocam suas experiências em busca de autoconhecimento, de solução para seus traumas e conflitos interiores, envoltas por um duro contexto social brasileiro.

Biblioteca comunitária como ponte entre a literatura e o território