publicado dia 29/06/2020

Guia de Boas Práticas reúne iniciativas de escolas e redes durante a quarentena

por

Com o início da quarentena, em decorrência da pandemia do novo Coronavírus, diversas secretarias de Educação, gestores e professores elaboraram práticas pedagógicas remotas para manter um vínculo com os estudantes, e garantir que eles permanecessem em algum contexto de aprendizagem. Agora, o Educação na Pandemia – Guia de Boas Práticas, material gratuito e on-line, reúne algumas dessas experiências, que podem inspirar outras escolas.

Leia + Garantia de direitos deve ser a prioridade na reorganização do calendário escolar, diz Macaé Evaristo

Levando em conta que as questões curriculares receberam atenção imediata e intensa das redes e que, quando a pandemia passar, as defasagens poderão ser recuperadas com bons diagnósticos e um planejamento eficaz na retomada das aulas, o mais importante agora é acolher a comunidade escolar e manter o vínculo dos estudantes e familiares com a escola mais vivo e intenso do que nunca.

Por esses motivos, o Guia de Boas Práticas tem como foco principal temas ligados ao protagonismo juvenil, revelando ações que priorizam a função social da escola como um centro de produção de conhecimento, socialização e construção de projetos de vida.

No entanto, estratégias para manter a coesão e a energia das equipes docente e gestora das escolas também fazem parte do material, a fim de colaborar com esses profissionais tão pressionados desde o início da pandemia para seguir oferecendo aos alunos os conteúdos curriculares.

Nas páginas finais do Guia de Boas Práticas, indicações de programas, recursos, plataformas, estudos e iniciativas educacionais no Brasil e no mundo para também serem usadas como fontes de inspiração para seguir em frente com o calendário escolar.

Conheça, a seguir, seis boas práticas que fazem parte do guia e como estão sendo desenvolvidas:

Alagoas – Laboratórios de Aprendizagem
Para envolver os alunos do  1º e 2º anos do Ensino Médio da rede estadual, os educadores organizaram um esquema de estudos que foge das aulas convencionais que têm sido propostas durante a pandemia. São os Laboratórios de Aprendizagem: roteiros de estudos quinzenais, com propostas de atividades, dicas para resolvê-las, sugestões de investigação, prazo e formas de registro, são enviados para os estudantes (pela internet ou pelas mãos de agentes comunitários). Cada roteiro é inspirado por um tema gerador e trabalhado em laboratórios de Língua Portuguesa, Matemática, Comunicação, Ideias inovadoras, Iniciativa social e comunitária, Atividades lúdicas e Clube de Leitura. Para orientar os jovens, os professores se encontram com as turmas três vezes durante a vigência de cada laboratório.

Leia + Alagoas cria Laboratórios de Aprendizagem e engaja jovens com projetos de investigação do território

Alagoas –  Clubes de leitura de Aprendizagem
Momentos de leitura estão tomando conta dos dias de isolamento social dos jovens alagoanos do Ensino Médio. Professores de Língua Portuguesa estão organizando Clubes de Leitura e também ficam responsáveis por sugerir as leituras e criar um calendário de atividades no campo da leitura e da escrita, além de promover rodas de conversa virtuais para os estudantes comentarem as obras.

Alagoas – Projeto Foca Enem
Para que os estudantes continuem entusiasmados em prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a rede estadual organizou o Projeto Foca Enem, com aulões ao vivo online, simulados semanais e rotinas de estudo com temas norteadores. Também foram criados pela rede o Enem Flix (sugestão de filmes relacionados a conteúdos da prova) e o Enem News (divulgação das notícias sobre o exame).

Bahia – Monitores de turma
Para não deixar ninguém se distanciar da escola por causa da suspensão das aulas presenciais, a equipe gestora do Colégio Estadual de Seabra, localizado na cidade baiana de mesmo nome, levou ao pé da letra o conceito de protagonismo juvenil e criou grupos de WhatsApp com um estudante para atuar monitor por série, escolhido entre os próprios alunos. Cerca de 60 jovens são responsáveis por encaminhar as atividades para os colegas, garantir que todos tenham acesso ao material, receber os trabalhos de volta e dar retorno aos professores sobre as dificuldades que surgem.

Goiás – Tutoria individual de Matemática
Desde 2015, alunos do  8º ano do Ensino Fundamental ao 3º do Ensino Médio do Centro de Educação em Período Integral Presidente Castelo Branco contavam com um esquema de tutoria em Matemática antes da pandemia. Para manter a ideia viva em tempos de isolamento social, o professor Gabriel dos Santos Silva se organizou para que as reuniões com os alunos, antes coletivas, se transformassem em encontros virtuais individuais.

Goiás – Mães Líderes de Turma
Para estreitar ainda mais os laços entre família e escola, a diretora Lauricéa Vilela teve a ideia de entrar em contato com as mães dos alunos do Centro Educacional de Tempo Integral Dom Veloso, em Itumbiara (GO), a 200 quilômetros de Goiânia, e convidá-las para se tornarem Mães Líderes de Turma, algo como postos avançados da gestão escolar na comunidade. A estratégia deu certo: logo no início do das aulas remotas, 98% dos alunos estudantes seguiram as atividades disponibilizadas pelas escola.

Redes de educação mobilizam diferentes estratégias para realizar ensino remoto