Sociedade de observadores de Saci atua pela valorização do folclore brasileiro

Publicado dia 31/10/2013

Iniciativa: Associação Sosaci

Pública ou Privada: 3º setor

Descrição: O dia 31 de outubro sempre foi motivo de incômodo para um grupo de amigos. Isso porque a data dá espaço a uma festa norte-americana, o Halloween, e seus personagens nada brasileiros: bruxas, abóboras enfeitadas, zumbis e outros. A inquietação era justamente: por que não comemorar o dia tendo em vista o folclore nacional e seus inúmeros personagens míticos, como saci, curupira, boto e tantas outras lendas regionais?

O local escolhido para depositar a dúvida foi São Luís do Paraitinga, pequena cidade do interior de São Paulo, e ponto de muitas lendas regionais. E como locais de observação, as escolas. Foram algumas visitas em unidades urbanas e rurais e a constatação de que, por mais simples que fossem as instalações, a equipe pedagógica reservava um momento para comemorar o Halloween, ou o Dia das Bruxas, como diziam as crianças.

Era o cenário ideal para o início de um movimento, inicialmente tímido, que tinha como ideia central, valorizar a cultura brasileira a partir do Saci e de outros símbolos do folclore. Era julho de 2003. O que começou entre um movimento de amigos – autodenominados saciólogos ou observadores de sacis – ganhou, em setembro do mesmo ano, o apoio da Prefeitura de São Luís do Paraitinga e a cessão da praça local como palco do primeiro evento público: “O Grito do Saci”, em alusão ao Grito da Independência, comemorado no mesmo mês.

Crédito: Sosaci

Crianças em oficina da sociedade. Crédito: Sosaci

Aberto ao público, o evento contou com a participação das escolas e da comunidade e com o apoio da imprensa local e também paulistana – canal alcançado graças a um dos mobilizadores, na época, jornalista do Estado de São Paulo. A repercussão do movimento levou à realização de uma nova festa dia 31 de outubro: a Festa do Saci, com maior envolvimento da comunidade local e escolar. A Sociedade de Observadores de Saci – Sosaci -,  de fato se constituía.

As intervenções da Associação sempre trazem uma gincana para envolver os alunos em brincadeiras tradicionais que resgatam os hábitos locais e que, sobretudo, tem como objetivo favorecer o envolvimento das crianças e escolas com o território. Também há música e roda de debate em que os organizadores falam não só sobre o folclore e seus personagens, mas sobre a cultura brasileira de maneira geral, e possíveis políticas públicas que poderiam favorecer o aparato cultural nacional.

Assista o vídeo da Confraria Produções sobre a Sociedade de Observadores de Saci:

Somos Todos Sacys da Confraria Produções no Vimeo.

Principais resultados: Embora não sistematizado em uma metodologia específica, o conhecimento mediado pelos integrantes da Sosaci sobre a cultura popular brasileira, o folclore e a importância de suas figuras míticas começou a ser desdobrado em municípios e estados do Brasil. A Festa do Saci hoje é realizada em algumas cidades de Minas Gerais, Brasília, Ceará, Rio de Janeiro e São Paulo.

Além disso, o 31 de outubro foi instituído como Dia do Saci em algumas localidades. Em São Paulo, as cidades São Luis do Paraitinga, Lorena, Cruzeiro e São José do Rio Preto já adotaram a data; em Minas Gerais, a cidade de Juiz de Fora; Curitiba, no Paraná; Fortaleza, no Ceará e Vitória, no Espírito Santo também aderiram ao movimento.

Crédito: Sosaci

Crianças se transformam em Boitatá. Crédito: Sosaci

Outra expressividade é o fato da Associação contar atualmente com 1076 associados que, nada mais são, do que pessoas ou grupos que apóiam o movimento e o desdobram em outras localidades. Cada um – com sua habilidade ou capital social (jornalismo, produção de vídeo, contação de história, pesquisa, escrita) -, colabora com a rede, apoiando em ações concretas a constituição e ampliação do movimento.

Materiais

Leia aqui reportagem de Gabriela Romeu para o Portal Uol sobre a história do Saci e assista reportagem da BolBrasil sobre a organização:

 

Início e duração: 2003 até os dias atuais
Local: São Luis do Paraitinga (SP)
Responsáveis: Henry Alexandre Durante Machado, Ivani Faria Franco, José Carlos Correa, Gilberto Ferreira Pedroza, Ivam Vilela, Benito Euclides de Moura Campos, Jô Amado, Alice Nakau, Mouzar Benedito, Mario Cândido da Silva Filho, Alfredo Nocera Filho, Vladimir Sachetta, Marcia Camargos, Manuel Lume e Regis Toledo (grupo fundador); André Luis da Silva (presidente) e outros colaboradores da atual gestão.
Envolvidos e parceiros: Jo Amado, Alice Nakau , Jose Luiz Nogueira Ohi, Grupo Pererê e os associados – saciólogos.
Financiamento: Todo recurso necessário às atividades é alcançado em parcerias locais ou mobilizado pelos próprios membros da rede.

Contatos:
Associação Sosaci
Blog: http://sosaci.blogspot.com.br/
Email: mario@sosaci.org
Facebook: http://on.fb.me/18FRC9V

Telefone: (11) 3673-1992

 

Como trabalhar com o folclore em sala de aula?