Em Corumbá (MS), Instituto Moinho leva música e dança à comunidade

Publicado dia 31/01/2014

Iniciativa: Instituto Moinho Cultural Sul-americano

Pública ou Privada: 3º Setor

Descrição

Cercada pelo rio Paraguai e considerada a capital do Pantanal, a cidade de Corumbá (MS) é também conhecida mundialmente por sua multiplicidade cultural, que abriga costumes de povos latino-americanos vizinhos, como os bolivianos, e de europeus que vieram para o Brasil ao longo das ondas migratórias do séculos XIX e XX.

moinhocultural/divulgação

Foto: Divulgação

Mesmo tão rica historicamente, as populações ribeirinhas corumbaenses ainda vivem em cenário marcado por dificuldades, como falta de sanamento básico e coleta de lixo ineficiente. Além disso, diversas famílias ainda vivem em vulnerabilidade social. Foi nesse cenário, que, em 2004, nasceu o Instituto Moinho Cultural Sul-americano, que tem como objetivo apoiar as escolas da região, oferecendo aulas de música e dança às crianças e jovens de 8 a 18 anos do local  e das comunidades de fronteira com a Bolívia.

Situado à beira do rio, o Moinho iniciou seu projeto com 180 crianças e adolescentes, com foco àqueles que estavam em situação de vulnerabilidade social. O intuito era mesclar a cultura regional à música e dança clássica, por meio de aulas diárias, que além do ensino musical, estimulassem o desenvolvimento da criança enquanto cidadã. Com o tempo, o projeto viu a necessidade de trabalhar também a tecnologia, já que era preciso divulgar e noticiar as próprias atividades realizadas pela organização.

O instituto fomenta que as pessoas se tornem de intérpretes-criadores desde a infância. Para tanto, o processo pedagógico, vivenciado em atividades artísticas e culturais, estimula que os educandos alcancem autonomia e promovam mudanças nos círculos sociais dos quais fazem parte, como a família, escola e a própria comunidade.

Mundo do trabalho
Objetivando a inclusão social da juventude, a organização entende que a formação em dança, música e tecnologia são oportunidades profissionais para a juventude, que saem diplomados e habilitados a trabalhar na área.

Formação

A iniciativa tem como premissa colaborar na educação regular dos estudantes, tanto que só podem participar aqueles que estão matriculados e frequentam as aulas de forma assídua. Como parte da programação diária do Moinho, ao menos uma hora é dedicada às lições escolares, com apoio de monitores.

Nos dois primeiros anos, as atividades de iniciação à música e dança são realizadas por todos. Passado esse período, cada estudante escolhe uma das atividades vivenciadas e, durante aproximadamente oito anos, pode se debruçar em um das modalidades artísticas e, assim, tornar-se profissional naquela área.

As meninas e meninos que optam pela música, têm acesso à história dessa arte, assim como à teoria e prática musical e instrumental. Os que optam pela dança têm acesso à história e podem optar pela dança clássica, como balé clássico, dança contemporânea ou dança regional, valorizando os saberes e costumes locais da comunidade. Para os que vão para a área de tecnologia é oferecida capacitação em informática e tecnologias audiovisuais, qualificando, assim, a inclusão digital.

Divulgação

Foto: Divulgação

Interação com a comunidade

Além de fomentar o estudo de música, dança e tecnologia, a iniciativa vem articulando uma série de parcerias que tendem a mostrar formas de melhorar a qualidade de vida das famílias locais. Todas as terças-feiras o espaço se abre a projetos e profissionais que moram na região, por meio do projeto Vila Moinho, que realiza uma troca de conhecimento entre os pais dos participantes e iniciativas que têm como foco o trabalho sustentável. Uma das parcerias é com o ponto de cultura arte e gastronomia, que capacita pessoas da comunidade local por meio oficinas de culinária.

Também nessa perspectiva, as apresentações de dança ou música dos estudantes recebem o caráter e nome de  mostras didáticas. Antes dos espetáculos há uma explicação sobre as obras e técnicas em destaque com a proposta de aproximar o instituto e conhecimento dos jovens com a população do entorno e agregar ao repertório cultural da plateia.

Início e duração: 2004 até os dias atuais
Local: Corumbá (MS)
Responsáveis: Instituto Moinho Cultural Sul-americano
Envolvidos e parceiros: escolas públicas, Conselhos Municipais de Cultura e da Criança e do Adolescente, além da Fudpa (Fundação Patrimonial) local.
Financiamento: Vale do Rio Doce e Lei Rouanet. 

Principais Resultados

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Os resultados têm início na vida escolar de cada participante. O projeto possui parceria direta com as escolas de meninas e meninos que fazem a formação no projeto e, assim, conseguiram acompanhar e verificar  que as crianças e adolescentes melhoraram suas notas no ensino regular formal. Em dez anos de atividades, 950 estudantes passaram pelo Moinho.

Diversos alunos do instituto se profissionalizaram nas áreas que estudaram na organização e alguns deles atuam no próprio Moinho como professores. Outro resultado apontado é a transformação da própria comunidade. Os espetáculos, eventos e atividades culturais e sociais já atingiram mais de 40 mil pessoas.

Além disso, a organização vem inspirando projetos de política pública em outras cidades próximas a Corumbá. Um deles é o projeto “Semear”, da prefeitura de Lavagem (MS), que utiliza a arte como meio de transformação.

Em 2007, o projeto foi vencedor regional e finalista nacional do prêmio Itaú Unicef; ano em que recebeu o prêmio Escola Viva por seu destaque em educação e cultura. Em 2010, foi semifinalista nacional do Prêmio Cultura Viva.

Contatos

Site: http://www.moinhocultural.org.br/ 
Facebook: 
https://www.facebook.com/pages/Moinho-Cultural/550484338350064?ref=ts&fref=ts
Endereço: R. Comendador Domingos Sahib, 300 – Porto Geral
Corumbá-MS – Brasil – Cep: 79.300-130
Telefone: 55 (67) 3231 8436

Comunidade

Conexão Felipe Camarão entende a cultura local como potencial educativo para a comunidade