publicado dia 28/05/2014

Paim reforça necessidade de formação de professores

por

“Precisamos ir na raiz da questão da formação do professor e, sem dúvida alguma, essa pactuação que estamos propondo entre gestores municipais, estaduais e universidades nos levará a um resultado melhor”, afirmou o ministro da educação, Henrique Paim, durante o 6º Fórum Nacional Extraordinário dos Dirigentes Municipais de Educação, que acontece até sexta-feira (30/5) em Florianópolis (SC).

Ministro afirma ter prioridade na valorização docente. Foto: Divulgação

Ministro afirma ter prioridade na valorização docente. Foto: Undime

Segundo Maria Beatriz Luce, que recentemente assumiu a Secretaria de Educação Básica no MEC, um grupo de trabalho interno já está dialogando com a proposta, que incluiria também o lançamento de um novo pacto pela melhoria da qualidade da educação nos anos finais do ensino fundamental.

Leia também: Dirigentes municipais discutem avanços e desafios na gestão de educação

A proposta, que ainda está sendo desenhada, tem como base as ações realizadas para os pactos nacionais pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) e pelo Fortalecimento do Ensino Médio – compromissos que viabilizaram, entre outras ações, a qualificação docente como eixo estruturante da qualidade educacional. Para o ministro, é preciso investir em uma estrutura e currículo adequados à formação inicial do professor, evitando a necessidade de muitos programas de formação continuada.

Da mesma forma, Paim defendeu a importância de olhar para uma estrutura curricular – seja a base curricular nacional ou outras formas de conteúdos orientadores – , a ser também discutida e problematizada entre os diferentes setores envolvidos com a educação no país.

De acordo com o ministro, uma vez que o grupo de trabalho organize a estrutura inicial, será preciso envolver os sistemas de formação, universidades e gestores públicos em uma construção dialógica, entendendo o que o gestor precisa do professor e o que os sistemas formadores precisam da gestão pública.

O financiamento das ações ainda não foi discutido, mas para Paim, não deve ser difícil alocar as verbas necessárias. “Conseguimos aumentar o investimento em educação de 4,8% para 6,4% [do PIB] e temos possibilidade de crescer ainda mais”, afirmou.

Premiações

Paralelamente, o Ministério vem investindo em ações de valorização dos profissionais de educação, apoiando prêmios que valorizem iniciativas educadoras de impacto na comunidade escolar. Entre eles, a 8ª edição do prêmio Professores do Brasil, lançado durante o fórum, que viabilizará R$ 6 mil para cada um dos 40 docentes vencedores – valor aportado por instituições parceiras, como a Fundação SM, Abrelivros, Instituto Votorantim e Fundação Volkswagen. As inscrições vão até o dia 15 de setembro.

Para a secretária Maria Beatriz, as premiações são fundamentais para valorizar o profissional da educação, assim como estimular o intercâmbio de práticas pedagógicas entre as universidades, gestores e sociedade. “Como diz o ministro, estamos bastante empenhados em encontrar formas para qualificar as formações inicial e continuada dos docentes, bem como melhores condições salariais e de trabalho”, indicou.

Outra iniciativa destacada no evento foi o Prêmio Educação em Direitos Humanos, criado pelo Ministério da Educação em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos e Organização dos Estados Íbero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura, que tem como proposta incentivar a sistematização e troca de experiências educacionais que promovam a cultura de direitos humanos. As inscrições vão até o dia 20 de julho.

5 pontos para qualificar a formação docente, segundo António Nóvoa