publicado dia 16/03/2021

Instituto Rodrigo Mendes lança novos Materiais Pedagógicos Acessíveis gratuitos

por

O Instituto Rodrigo Mendes (IRM) vai publicar semanalmente na plataforma DIVERSA materiais pedagógicos baseados no conceito de Desenho Universal para Aprendizagem (DUA), que têm o objetivo de apoiar a relação entre ensino e aprendizagem de todos estudantes – com e sem deficiência – na sala de aula comum.

Leia + Como funcionam os protocolos de biossegurança na educação inclusiva

Os conteúdos foram elaborados por educadores que participaram do projeto Materiais Pedagógicos Acessíveis de 2020, uma formação de professores gratuita realizada pelo Instituto Rodrigo Mendes e do MudaLab e teve como parceiro o Instituto Credit Suisse Hedging-Griffo e o Instituto Península. Nessa última edição participaram 35 educadores de três municípios paulistas – Nova Odessa, Peruíbe e Cruzeiro.

Em decorrência da pandemia, todos os 14 encontros formativos aconteceram a distância. Apesar disso, o contato constante entre os educadores e os mediadores do Instituto Rodrigo Mendes e do MudaLab foi garantido. E uma das características mais importantes do projeto foi mantida: a composição do grupo de cada uma das escolas participantes. A presença da professora de sala comum, da professora do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e de uma gestora escolar garante que o impacto das discussões e a realização do projeto na escola não se limitem ao tempo de duração do percurso formativo. Pelo contrário, instiga que o trabalho colaborativo seja adotado nas redes de ensino, unidades educativas e salas de aula.

Confira três dos materiais desenvolvidos pelos educadores participantes da edição 2020. Tutoriais e relatos de experiência podem ser acessados livremente para quem desejar replicar os projetos e se inspirar nas ideias.

Jogo da Memória
EMEF Prof. Fernando Nepomuceno Filho, em Peruíbe

Material desenvolvido para minimizar barreiras de comunicação e promover o aprendizado em Libras e Língua Portuguesa de uma forma colaborativa, tanto para o período de atividades pedagógicas remotas como para o tempo de aulas presenciais. O jogo é composto por um painel em MDF, cartas plastificadas para as associações de figuras com os termos em português e os sinais em Libras, e um dado eletrônico. Para jogar, os estudantes devem acionar o dispositivo do dado e, considerando o símbolo que aparece, fazer a associação entre duas cartas do painel, além de seus respectivos sinais em Libras.

Corrida do Desafio
EMEFEI Dante Gazzetta, em Nova Odessa

Material para incentivar o processo de escrita e leitura dos estudantes, por meio do uso de parlendas, canções, poemas e desafios reunidos em um jogo de tabuleiro com recursos de acessibilidade. O tabuleiro é inspirado em elementos presentes no entorno da unidade escolar, tem um farol de LED para marcação de tempo, áudios e um alfabeto móvel com imagens, braile e Libras. Para jogar, os estudantes devem acionar o dispositivo de áudio e ouvir as parlendas e canções. Depois, precisam montar a palavra solicitada para avançar casas no tabuleiro.

Meu passeio animal
EM Professora Girlene de C.A.Martinoli, em Cruzeiro

Material desenvolvido para aumentar o interesse e o envolvimento dos estudantes aos conteúdos de Ciências, ampliando a comunicação oral e apropriação da escrita da Língua Portuguesa. O jogo de trilha é composto por um tabuleiro com sete obstáculos a serem percorridos até o habitat de cada animal, uma roleta, animais feitos de biscuit, caixa de áudio construída e programada com gravações referentes aos sons emitidos pelos animais, curiosidades e outros desafios referentes ao animal sorteado, e outros materiais de apoio – tais como fichas de respostas e alfabeto móvel. Para jogar, o estudante gira a roleta para sortear o caminho do animal doméstico ou silvestre. Depois, aciona o dispositivo da caixa de áudio e escuta o som do animal do grupo sorteado, tendo que descobrir qual é. Se acertar, pega a miniatura, que funciona como pião do jogo, e continua o percurso. Os jogadores avançam conforme cumprem as propostas reproduzidas em áudio, que podem ser curiosidades sobre os bichos e/ou tarefas, como escrever o nome do animal. O jogo termina quando o personagem/animal chega a seu habitat.

Os Materiais Pedagógicos Acessíveis

A metodologia do projeto Materiais Pedagógicos Acessíveis envolve a articulação dos princípios da educação inclusiva e do movimento maker aliados ao princípio de Desenho Universal para Aprendizagem. Os educadores envolvidos na formação partem da identificação de uma situação desafiadora de aprendizagem na sala comum (remota ou presencial) em articulação com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a participação do estudante com deficiência daquela turma. Identificado o desafio pedagógico, a proposta é pensar no desenvolvimento de um material acessível que apoie o processo de ensino-aprendizagem, garantindo o acesso de todos ao currículo.

A concepção do projeto Materiais Pedagógicos Acessíveis está alicerçada na ideia de que os materiais desenvolvidos pelos participantes podem ser replicados ou servir de inspiração para outros educadores, considerando a realidade de cada um dos estudantes e da comunidade escolar.

A formação Materiais Pedagógicos Acessíveis existe desde 2018 e já envolveu diretamente 127 educadores de escolas públicas do estado de São Paulo e impactou 1376 estudantes. Em 2021, a formação segue online, devido à pandemia e, pela primeira vez, irá envolver educadores públicos de redes municipais de todas as regiões do país. Ao todo, participarão da formação educadores de cinco municípios, selecionados depois de terem participado de um processo seletivo divulgado em edital lançado em fevereiro de 2021.

 

Sobre o Instituto Rodrigo Mendes

O Instituto Rodrigo Mendes (IRM) é uma organização sem fins lucrativos com 25 anos de existência, que tem como missão colaborar para que toda pessoa com deficiência tenha uma educação de qualidade na escola comum. Seus projetos estão organizados a partir de uma arquitetura baseada em três pilares: produção de conhecimento, formação de educadores e advocacy. Ao longo de sua trajetória, o Instituto atendeu mais de 100.000 educadores de todos os estados brasileiros e impactou cerca de 1 milhão de estudantes. Seu portal sobre boas práticas, o DIVERSA (diversa.org.br), oferece centenas de exemplos de aulas e atividades inclusivas, com o objetivo de apoiar profissionais que atuam nas redes de ensino.

Uso de recursos digitais por escolas requer cuidados e proteção de dados, afirmam especialistas