publicado dia 25/08/2021

Em defesa da educação inclusiva

por

Na última semana, houve uma sequência de falas discriminatórias do Ministro da Educação Milton Ribeiro em relação aos estudantes público-alvo da educação especial. Em 17 de agosto, o Ministro disse em entrevista que os estudantes com deficiência atrapalham os demais. No dia 19, o Ministro afirmou que “Nós temos hoje 1,3 milhão de crianças com deficiência que estudam nas escolas públicas. Desse total, 12% têm um grau de deficiência que é impossível a convivência”.

Leia + Nova Política de Educação Especial põe em risco os avanços da inclusão

Por trás das palavras do Ministro existe uma ideia discriminatória de que os estudantes com deficiência deveriam estudar segregados, separados dos demais. Dessa ideia se originou o Decreto 10.502/2020, que instituiu uma “nova” política de educação especial, retirando a perspectiva inclusiva para restituir uma política segregatória que privilegia as instituições de educação especial. O Decreto, nomeado pelas organizações da sociedade civil como ‘Decreto da Exclusão’, teve sua constitucionalidade questionada perante o Supremo Tribunal Federal (em dezembro do ano passado). O Tribunal convocou audiência pública para ouvir a sociedade em relação ao tema, o que ocorreu entre os dias 23 e 24 de agosto. A fala do Ministro não foi, portanto, intempestiva. Foi uma tentativa de defender as ideias presentes no Decreto 10.502/2020 visando justificar a exclusão de alguns estudantes do sistema regular de ensino.

A segregação e a exclusão do sistema regular de ensino não podem ser uma opção.

O Coletivo Articulador do Centro de Referências em Educação Integral, em diálogo com organizações da sociedade civil, defende uma educação de qualidade e equitativa, que ofereça  as mesmas oportunidades para todos os estudantes. A política de educação especial na perspectiva inclusiva se articula ao princípio constitucional que prevê a garantia da educação para todos e a formação de  cidadãos, assim como ao Capítulo V da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diante dos desafios de incluir os estudantes com deficiência nas salas de aulas comuns, devemos direcionar investimentos públicos para a formação de professores e redução de barreiras arquitetônicas, comunicacionais, metodológicas e quaisquer outras que possam reduzir a aprendizagem e não para financiamento de instituições especializadas. Todos os estudantes, independentemente de sua origem, raça, gênero, identidade, condição física, sensorial ou mental têm direito de compartilhar o ambiente da sala de aula. A segregação e a exclusão do sistema regular de ensino não podem ser uma opção.

Vale ressaltar que o Brasil é signatário da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD), que foi ratificada com status de Emenda Constitucional. Significa que o modelo adotado pelo sistema educacional brasileiro é o da educação inclusiva. No ano de 2020, os dados do Censo Escolar realizado pelo INEP mostram que 90% dos estudantes público-alvo da educação especial já estão matriculados nas escolas comuns, posicionando o Brasil na dianteira da inclusão. Portanto, não existem motivos jurídicos ou pedagógicos que justifiquem a exclusão.

Diante das ameaças que o Decreto 10.502/2020 bem como as falas do Ministro da Educação Milton Ribeiro representam para a educação brasileira, é premente que toda a sociedade compreenda que a premissa da educação integral é que ela seja para todos, sem discriminação de qualquer ordem. Ao garantir uma educação de qualidade nas escolas comuns, o Estado apenas cumpre o que manda a Constituição Federal, a CDPD e a Lei Brasileira de Inclusão. Assim, este coletivo vem se manifestar publicamente em apoio à inclusão de todos os estudantes, entendendo que não existem seres humanos de impossível convivência ou que atrapalhem a aprendizagem dos demais. Educação pública de qualidade, assim como a convivência com a diversidade, é direito de todos.

Inclusão escolar em tempos de pandemia: o que os dados mostram?