Planejamento reverso: o que é e como aplicar

Publicado dia 28/05/2019

Dentre as diferentes maneiras de se pensar uma aula, o planejamento reverso traz a vantagem de estimular a atitude investigativa nos estudantes.

“O planejamento reverso é uma metodologia que enfatiza as perguntas por meio das quais a sociedade construiu conhecimentos. Então, transforma o que precisa ser ensinado aos alunos em propósitos de por que ensiná-los e em competências para a vida, e não apenas conteúdos para aprender na escola”, diz Julia Andrade, pesquisadora do Centro de Referências em Educação Integral.

Leia + O que os professores gostariam de ensinar aos seus alunos?

Dessa maneira, o professor deve partir do objetivo que quer alcançar ao final de uma sequência de ensino-aprendizagem para depois pensar em como chegar lá.

A especialista exemplifica que, se um professor deseja ensinar sobre nutrição, alimentação balanceada e a pirâmide alimentar, a pergunta a ser feita para os estudantes não é: “como fazer para ter uma dieta equilibrada?”

E sim, o educador deve perguntar: “o que acontece com os alimentos quando eles entram no corpo humano? É verdade que o que não mata, engorda? Por que gostamos de junk food?”

“As perguntas essenciais visam transformar o conteúdo de ensino em investigação. Assim, se a pergunta essencial for ‘por que podemos afirmar que nós somos o que comemos?’ e os alunos conseguirem responder, eles terão uma compreensão profunda, ao invés de só saber reproduzir uma pirâmide alimentar”, explica Julia.

Para Raquel Oliveira, gerente executiva do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e professora da pós-graduação do Instituto Singularidades, um dos principais pilares desta metodologia é compreender a avaliação como um diagnóstico e uma oportunidade de aprendizagem.

“A avaliação não pode vir só no final do processo. Ela é mais um check-up de rotina médica do que uma necrópsia, que não tem como reverter e, portanto, vem a reprovação”, compara Raquel.

Na hora de implementar essa metodologia, Raquel recomenda que os educadores compreendam que precisam se desenvolver para conseguir planejar uma atividade independentemente do livro didático, e que o planejamento reverso mobiliza diversas habilidades e competências ao mesmo tempo. “Na prática, podem começar com uma única aula ou atividade, para depois ir ampliando para situações maiores”, afirma.

Julia Andrade e Raquel Oliveira explicam quais são as etapas de implementação do planejamento reverso. Confira:

#1 Identificar os resultados desejados

Comece estabelecendo o objetivo da aula, o que os alunos precisam compreender ou fazer. Também é crucial saber justificar por que esses conhecimentos são importantes para o desenvolvimento dos estudantes.

Por fim, defina quais são as perguntas essenciais que podem instigar a curiosidade dos alunos, e transformar o conteúdo a ser compreendido em questão a ser investigada.

#2 Definir as evidências das aprendizagens desejadas

Descreva critérios para avaliar as evidências de aprendizagem dos estudantes, como insuficiente, básica, intermediária e avançada.

Depois, defina por meio de quais ações e registros os alunos demonstrarão quanto sabiam antes da aula ou atividade e quanto aprenderam. Explore também quais oportunidades os alunos terão para repensar e revisar o conhecimento que estão construindo. Vale atenção às diferentes necessidades e linguagens das crianças e adolescentes.

Durante esta etapa, é necessário ter em mente as seis facetas da compreensão, entendendo que os alunos revelam suas aprendizagens de maneira mais eficaz quando podem explicar, interpretar, aplicar, mudar a perspectiva, ter empatia e fazer uma autoavaliação.

#3 Desenhar experiências de aprendizagem

Na etapa final, defina como organizar as aprendizagens de forma a atender aos objetivos propostos, ajudar os estudantes a investigar e construir sentido, e permitir efetividade nas avaliações.

Isso pode ser feito por meio de sequências didáticas, jogos, desafios, tarefas, projetos utilizando diferentes abordagens e metodologias de ensino-aprendizagem, por exemplo.

Boas práticas de revisão curricular para se inspirar