Publicado dia 14/01/2019

Educação sexual

Na concepção da educação integral, a educação sexual ou educação em sexualidade engloba uma série de conhecimentos sobre saúde, corpo humano, identidade, sentimentos, bem-estar, consentimento, responsabilidade, autoproteção e tipos de toques que os outros estão autorizados ou não em relação ao corpo da criança e do adolescente, como forma de prevenção à violência sexual.

Nenhuma educação sexual visa ensinar ou estimular que os alunos pratiquem algum tipo de ato sexual em si.

Para a educação integral, a responsabilidade pela educação sexual de crianças e adolescentes é compartilhada entre famílias e escolas, e se mostra como alternativa de fonte mais segura de informações do que a internet ou outros meios afins.

A educação sexual nas escolas

Nas escolas, o conteúdo é abordado com material adequado a cada faixa etária, tendo por base as rodas de conversa e a escuta das dúvidas das crianças e adolescentes.

No Brasil, foi a partir de meados dos anos 80 que a a demanda por trabalhos na área da sexualidade nas escolas aumentou, como forma de combater a epidemia de AIDS e a gravidez precoce.

Hoje, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) estipula como finalidade da educação “o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania”, o que envolve discutir todos os temas que permeiam a vida cotidiana dos estudantes. Além disso, os parâmetros curriculares nacionais preveem a educação sexual nas escolas desde 1997.