Universidade da Correria apoia comunidades populares a empreender

Publicado dia 21/02/2014

Iniciativa: Universidade da Correria

Privada ou pública: Terceiro setor

“…Há cerca de 15 anos atrás, uma expressão se popularizou nas periferias, favelas e subúrbios: Correria. Essa palavra designava mais que a ação de estar “correndo atrás” de algo, mas uma atitude diante da vida. Correria significa não ceder, não abaixar a cabeça, não aceitar o não, inventar meios, criar gambiarras para existir na vida.”
Anderson “Dinho” França, um dos fundadores da Universidade da Correria

Descrição: No Complexo da Maré, em 2011, surgia a Dharma ACC, Agência de Comunicação e Criatividade, com o intuito de colaborar com pequenos empreendedores em comunidades cariocas e compartilhar conhecimento com foco em negócios, negócios sociais e outras áreas.

unicorre 1

Foto: Suelen Masiero/ Divulgação

Inicialmente, a Dharma ofereceu encontros, chamados de Dharma Lab, em que reunia empreendedores, alunos do ensino médio e universitários em diversas comunidades em que a iniciativa apoiava algum empreendedor ou era convidada para palestras. A dinâmica durou até 2012, quando se percebeu a necessidade de criar meios de customizar a linguagem de negócios, bastante formais, para os moradores das periferias.

Em 2013, surgiu o primeiro percurso pedagógico e foi lançada a Universidade da Correria que compreende módulos de aprendizado com foco em modelagem, prototipagem e implementação de negócios, especialmente em territórios populares. A ideia é preparar, reciclar e agregar mais conhecimento a empreendedores da base, interessados em desenvolver negócios e, ao mesmo tempo, aproveitar de maneira inteligente os recursos que possuem.

Leia também: Universidade da Correria visa autonomia e liberdade

A Universidade da Correria tem como pilares os conceitos: rompimento, liberdade e autonomia. Mais do que “ensinar” a fazer negócios, o projeto quer provocar nas pessoas o desejo pela autonomia e pelo processo criativo. Para a equipe gestora, isso transcende a relação de negócios e alcança outras áreas da vida, favorecendo as experiências e o aprendizado.

O projeto lida com seus pilares da seguinte maneira:

Ruptura: o convite é pelo “cruzar a linha”. Isso significa facilitar a percepção da dimensão da desigualdade e da existência de oportunidades fazendo com que, em posse desse conhecimento, o indivíduo seja capaz de romper o ciclo de passividade diante de situações sociais e econômicas desfavoráveis, tornando o empreendedorismo uma ferramenta. Esse princípio é utilizado logo no início do curso para criar empatia e motivar as pessoas a prosseguirem com seus projetos de vida.

Pedagogia da Liberdade: a educação é utilizada como ferramenta de transformação. O projeto não determina limites para o processo criativo e favorece o usufruto da liberdade. Uma das principais referências é o educador pernambucano Paulo Freire (1921-1997) e a valorização dos saberes populares.

Promoção de Autonomia: O conceito prevê a formação do pensamento autônomo. A ideia da iniciativa é fazer com que o aluno se auto-organize em torno de seu projeto ou negócio, controle gastos, entenda de planejamento e, principalmente, crie significado para cada um desses processos, aumentando o valor e o sentido do trabalho e autogestão, que vai para além de colocar mais um CNPJ na rua.

Currículo

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A Universidade da Correria realiza formações, palestras gratuitas ou remuneradas, aulas avulsas e workshops com temas que variam de acordo com o público e o evento. O conteúdo pode ser oferecido em universidades, agências de publicidade e de conteúdo, consultorias corporativas, empresas, escolas livres (HUB Escola), escolas de ensino médio, ONGs e Secretarias de Cultura, Desenvolvimento e Educação.

O curso completo tem duração de três meses, com atividades presenciais e à distância e frentes em Negócios, Cultura Digital/Comunicação e Produção Cultural. Cada eixo possui carga horária de 36 horas e 12 horas de atividades complementares.

Início e duração: De 2013 até os dias atuais.
Local: Complexo da Maré, Rio de Janeiro (RJ).
Responsáveis: Dharma Agência de Comunicação e Criatividade
Envolvidos e parceiros: escolas públicas, escolas livres (HUBs), Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM) e empresas e organizações de comunidades cariocas.
Financiamento: O grupo não tem financiadores, mas para apoiar suas ações gratuitas, desenvolve e comercializa produtos (camisetas, casacos, canecas) com a marca da universidade.

Resultados

A proposta, embora muito jovem, já atingiu mais de uma centena de participantes diretos no curso. Nas sensibilizações e palestras pagas e gratuitas, a Universidade já alcançou um número ainda maior de empreendedores locais e jovens que desejam aprender a empreender.

Entre os exemplos de negócios advindos da formação, está o “Baú de Memórias”, uma empresa criada por Priscila Rafael para produzir bolos a partir de receitas tradicionais, daquelas que remetem à infância e ao “bolo da vovó”. A empreendedora que já produzia bolos, conseguiu alcançar maior profissionalização e consequentemente melhorar sua produtividade.

A metodologia também impactou o Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), um grupo universitário localizado entre os complexos do Alemão e da Maré. A universidade adotou o curso proposto pela Universidade da Correria como uma modalidade de extensão oferecida durante as férias escolares dos estudantes.

Contatos

Facebook: Universidade da Correria

Telefone: (21) 3497-4178

Site da Dharma ACC: http://agenciadharma.blogspot.com.br/ 

Mapa Cultural da Quebrada traz guia online da periferia de São Paulo