Estudantes viram prefeito, vereadores e secretários na EMEF Campos Salles, em São Paulo

Publicado dia 27/08/2013

Iniciativa: República de Alunos

Pública ou Privada: Pública

Descrição: Após a EMEF Campos Salles se aproximar da comunidade, ao realizar grupos de articulação com moradores e líderes do bairro, passou também a reformular sua proposta pedagógica junto aos estudantes. No fim de 2007, na perspectiva da construção de uma escola democrática, a direção e professores acordaram que seria melhor derrubar as paredes que separavam uma sala da outra, tornando as antigas doze salas existentes em quatro grandes salões.

Após essa decisão, em 2008, a coordenação da escola notou que seria importante criar uma cultura de mediação entre os próprios alunos, para que a convivência dentro dos salões fosse a melhor possível.

Assim, nasceram as comissões mediadoras de alunos em salões. Essa comissão era composta pelos alunos de cada salão e tinha como objetivo cuidar da convivência, do respeito pelo espaço, respeito entre os estudantes e da relação professor-aluno.

Os estudantes começaram a ficar tão autônomos que passaram também a convocar os pais para as reuniões que realizavam. Como muitos deles também eram formadores de opinião dentro das comissões, em 2011, foi pensado um projeto de legitimação das lideranças que  haviam se formado e nasceu assim, a República de Alunos.

A República de Alunos é um projeto que incentiva estudantes a exercerem a cidadania dentro da escola por meio de eleições para prefeito e vereadores e secretários de comunicação, saúde e meio ambiente, convivência e diversidade e cultura e esporte.

O objetivo é acabar com a ideia de que as tomadas de decisão dentro da escola dependem exclusivamente dos professores ou da direção, tornando os estudantes parte ativa dos processos de mudança escolar.

Ao propor esses espaços de participação, o projeto incentiva a formação de cidadãos autônomos que saibam fazer gestão de seus problemas e dificuldades, sem precisar necessariamente da interferência de um adulto.

Inspirada em outras experiências de educação democrática, a iniciativa ainda não está totalmente implementada, porém, os estudantes e professores já produziram um regimento, com leis e regras que devem ser seguidas por todos os membros da escola.

Início e duração: Os primeiros passos do projeto foram dados em 2013 e ainda está em fase de aprimoramento.

Local: EMEF Campos Salles, localizada bairro de Heliópolis, zona sul da capital de São Paulo (SP).

Responsáveis: estudantes de 4ª série a 8ª série da EMEF Campos Salles.

Envolvidos e parceiros: demais estudantes, famílias, professores, coordenação e direção escolar da EMEF Campos Salles.

Principais Resultados: Os proponentes verificam que os estudantes exercitam a cidadania, desenvolvem autonomia em processos de decisão e aprendem a fazer gestão de crises no espaço escolar e, embora muito recente, a escola percebeu melhora da relação entre professores e alunos, do aluno com o ambiente e espaço escolares e entre os próprios alunos.

Gestão Pública

EMEF Campos Salles transforma currículo e valoriza a autonomia do estudante