Cidade argentina de Godoy Cruz se transforma em museu a céu aberto

Publicado dia 31/03/2014

Foto 1Desde 2009, a cidade de Godoy Cruz, localizada na província de Mendoza, na Argentina, vem atraindo artistas locais e internacionais para o Encuentro Latinoamericano de Muralismo y Arte Público. O evento brinda uma mudança significativa na cidade iniciada com o programa Museu a Céu Aberto (Museo a Cielo Aberto). Por lá, os muros degradados deram lugar a pinturas, em iniciativa realizada entre a Secretaria de Direitos Humanos e a Secretaria de Patrimônio, Cultura e Turismo.

Entre cores e formas

A ideia de resgatar a aparência dos muros é enaltecer o papel da arte e transformar as ruas do município em verdadeiro museu a céu aberto, assumindo a cidade como um espaço educativo e de participação comunitária. Entre as expressões dos diversos artistas que compõem essa galeria urbana, há mensagens de apelo cultural e social, que reforçam a importância da preservação do meio ambiente, da valorização da cultura e memória local, entre outras.

Arte registrada
O pintor Osvaldo Chiavazza é um dos que interviu na cidade. Sua obra está estampada na fachada do edifício da biblioteca local. Conheça seu blogFrente mural obra y pensamiento de Arturo A. Roig. 2012 Godoy Cruz.

As intervenções – são 150 murais espalhados pelas ruas – se concentram no bairro de Sarmiento, que teve seus muros inteiramente revitalizados. Com isso, em 2012,  Godoy Cruz foi oficialmente reconhecida como museu a céu aberto, o que faz da cidade a primeira a sustentar uma iniciativa como essa a partir de uma política municipal.


Parceria com a comunidade

A primeira parede revitalizada causou bastante impacto no bairro e os próprios moradores e associações locais começaram a olhar para o entorno desejando a intervenção artística, principalmente em locais danificados. Essa participação é ratificada pelos artistas, que se reúnem com os moradores para, juntos, definirem quais temáticas serão estampadas nas paredes.

Antes dos encontros, que acontecem anualmente, há reuniões prévias para que a comunidade tome conhecimento de quais são os locais públicos possíveis de intervenção. Em 2013, a quinta edição teve como tema o cinema argentino, o que resultou em painéis homenageando atores, diretores e filmes de cinema nacional, que deixaram sua marca na consciência coletiva. Dessa vez, o local escolhido para as impressões artísticas foram os muros da ciclovia, mudando o significado do trajeto de quem ali passa para se exercitar ou locomover.

Também já foram pauta temas como ‘escritores latino-americanos’, ‘mineração e meio ambiente’, ‘direito à moradia adequada’, reforçando o caráter cultural e social do projeto, assim como a divulgação dos direitos humanos da sociedade.

Início e duração: De 2009 até os dias atuais.
Local: Godoy Cruz, localizada na província de Mendoza, Argentina
Responsáveis: Secretaria de Direitos Humanos e Secretaria de Patrimônio, Cultura e Turismo.
Envolvidos e parceiros: artistas locais e internacionais e comunidade local.
Financiamento: Secretaria de Direitos Humanos e Secretaria de Patrimônio, Cultura e Turismo.

Melhorias e oportunidades

Foto 2A partir do acervo criado pelo projeto, o município se organizou e criou um cadastro municipal das obras, com a ideia de utilizá-las como indutoras de outras políticas municipais relacionadas à arte e ao turismo.

As visitas guiadas pelo local tornaram-se bastante comuns. E para além de uma possibilidade turística, tem-se uma oportunidade educativa real para as escolas locais e da região. Os professores podem fazer uso das temáticas ali contempladas e trabalhá-las com os alunos a partir da perspectiva da experimentação.

Os painéis também vêm propiciando o diálogo com áreas mais periféricas da cidade, já que este também é um condicionante ao mapear os locais públicos que receberão a intervenção. Há uma clara contribuição para que a comunidade se aproxime do território, estabeleça uma relação de afeto e lute pela preservação da memória local.

Com informações da Associação Internacional de Cidades Educadoras (AICE)

Projeto estimula alunos a pensar em ações para solucionar problemas do território