publicado dia 14/11/2018

Paulo Freire: a educação como prática da liberdade

por

Patrono da Educação Brasileira, Paulo Freire é um divisor de águas na educação do País: além de referência internacional no campo da alfabetização, ergueu os pilares para a educação crítica e autônoma ante a educação bancária, segundo a qual os educandos era vistos como recipientes vazios a serem preenchido pelo conhecimento do professor.

Especial Educadores, do Centro de Referências em Educação Integral, traz 10 especialistas fundamentais para compreender a educação integral e a importância da escola pública no Brasil.

O educador pernambucano, nascido em Recife em 1921, foi um ferrenho defensor da escola democrática e colaborou para uma nova abordagem na relação entre educador e educando, colocando a troca horizontal de saberes e experiências como base do aprendizado.

Assim, para ele, não apenas o aluno, mas também o professor aprendia com o repertório que cada um levava para a escola. Sua frase “não há saber mais ou saber menos, há saberes diferentes” exemplifica bem esta sua visão.

Intelectual brasileiro mais homenageado da história, Freire defendia a conscientização sociopolítica como contraponto para as desigualdades sociais. Em Educação Como Prática da Liberdade, apontou que a palavra podia deixar de ser o veículo das ideologias alienantes para tornar-se o instrumento de uma transformação do homem e da sociedade. Para ele, este era o papel da escola: o de ensinar o aluno a ler o mundo e nele intervir positivamente.

Ainda segundo Freire, os conflitos sociais, o jogo de interesses, as contradições que se davam no corpo da sociedade se refletiam necessariamente no espaço das escolas. Em sua obra mais célebre, Pedagogia do Oprimido, analisou as relações entre “colonizador” e “colonizado” e a necessidade de emancipação deste segundo para a liberdade.

Alfabetização de adultos

A abordagem de Paulo Freire para a alfabetização de adultos foi criada em consonância com seus princípios. Uma das estratégias usadas era, por exemplo, iniciar o processo a partir de palavras próprias do vocabulário e realidade dos adultos, as chamadas “palavras geradoras” como lavoura, tijolo, etc. Outro ponto de destaque estava na formação de educadores populares que atuavam como “animadores de debate” e de círculos de cultura.

Este método, que hoje leva seu nome, foi aplicado pela primeira vez na região de Angicos (RN), em 1963, com trabalhadores do campo, pedreiros, domésticas, entre outros alunos oriundos de contextos de vulnerabilidade.

Em 1964, o golpe militar obrigou-o a exilar-se, só podendo regressar ao País 16 anos depois. Em 1969, lecionou na Universidade de Harvard (Estados Unidos) e foi o intelectual brasileiro com maior consagração no exterior: 29 títulos de “doutor honoris causa” lhe foram concedidos por universidades da Europa e América.

Já de volta ao Brasil, entre 1989 e 1991, Paulo Freire foi secretário de Educação da Cidade de São Paulo, na gestão de Luiza Erundina. Faleceu em São Paulo, em 1997.

paulo freire, especial educadores

 

Florestan Fernandes e a liberdade de ensinar