publicado dia 27/09/2013

Cenpec e Fundação Volkswagen lançam plataforma do letramento

por

Apenas um em cada quatro brasileiros domina plenamente as habilidades de leitura, escrita e matemática. Cerca de um terço (35%) dos brasileiros com Ensino Médio completo podem ser considerados plenamente alfabetizados, isto é, são capazes de ler e interpretar textos longos e realizar operações matemáticas de maior complexidade.

Os resultados da última edição do Inaf (Indicador de Alfabetismo Funcional) revelam que a escola vem falhando no cumprimento de uma de suas funções, que é garantir o pleno acesso à cultura letrada. Frente a esse desafio, a Fundação Volkswagen e o Cenpec lançaram na manhã desta segunda (2) em um espaço da cidade de São Paulo dedicado à nossa língua, o Museu da Língua Portuguesa, a Plataforma do Letramento.

Voltada a formação de educadores e demais interessados no tema, a Plataforma é um ambiente virtual de aprendizagem que reúne materiais, como entrevistas e artigos produzidos por especialistas da área, publicações de educação, indicações de leituras e vídeos, infográficos multimídia, bem como recursos didáticos e ações de formação on-line, como oficinas que podem ser usadas sozinhas ou inseridas nos planos de aula, fóruns de discussão e oficinas on-line.

O letramento como direito também foi reafirmado pelo representante da Fundação Volkswagen. Em consonância com o princípio da democratização do conhecimento que norteou a concepção da Plataforma, Barros fez questão de salientar a transmissão on-line do evento, garantindo já no momento do seu lançamento a audiência de “pessoas que estão distantes geograficamente, mas unidas por um mesmo ideal”: “É um orgulho para a Fundação Volkswagen que há 34 anos investe em educação lançar, em parceria com o Cenpec, uma plataforma de formação voltada aos profissionais que trabalham diariamente com nossas crianças, adolescentes e jovens.”

Crédito: Divulgação CenpecA presidente do Conselho do Cenpec lembrou que o tema do letramento está presente na história do Cenpec desde as suas raízes. “O Cenpec se originou de um programa de leitura e escrita, que tinha como proposta possibilitar às escolas públicas o acesso a uma teoria que estava sendo discutida à época, que era o construtivismo. Sabíamos que para a apropriação dessa metodologia era necessária a elaboração de um material de apoio e aí surgiu o Cenpec”, relatou Maria Alice.

Ela salientou ainda que a Plataforma vai ao encontro de um dos posicionamentos da instituição – a ampliação do letramento da população brasileira – e a crença no papel central ocupado pelo professor no processo educativo; daí a importância de se concentrar esforços na formação continuada.

“A Plataforma reafirma o nosso compromisso de contribuir com a educação pública do nosso País, por meio de um ambiente virtual, democrático, colaborativo, com conteúdos de acesso livre, com o objetivo de apoiar políticas, projetos, práticas relacionadas à ampliação do letramento da população brasileira”.

Por que investir no letramento

Para ilustrar a urgência e gravidade da questão, o coordenador de pesquisas do Cenpec e especialista no tema alfabetização, Antonio Batista, deu uma verdadeira aula sobre letramento, discorrendo sobre a origem do conceito de letramento – “importado” do campo das Ciências Sociais frente – e o significado atribuído ao termo na área educacional, mais abrangente do que o termo “alfabetização”.
“O conceito de ‘alfabetização’ deixou de dar conta daquilo que nós considerávamos ser ou estar alfabetizado. Há uma demanda permanente por novas formas de letramento baseadas não apenas na língua escrita, mas que se associam a outras linguagens, a outros sistemas semióticos. Estamos diante de um mundo que cada vez mais demanda um letramento que se configura como uma aprendizagem por toda a vida”.

Batista também apresentou dados que indicam o quanto avançamos em termos de alfabetização, mas também outros que revelam que a escola não vem cumprindo seu papel de garantir às crianças e adolescentes o pleno acesso à cultura letrada. Por exemplo, um em cada quatro brasileiros que cursam ou cursaram até o ensino fundamental II ainda estão classificados no nível rudimentar de alfabetismo.

Frente a esse contexto, a Plataforma do Letramento tem como foco a formação continuada de professores. “Oferecemos um conjunto de possibilidades para que o educador possa realizar seu percursos ou seu itinerário na medida das suas necessidades e a partir das suas perguntas e que certas redes de ensino possam com seus educadores pensar certos percursos a partir do material ali disponível”.

Na abertura do evento, em clima de celebração, a presidente do Conselho do Cenpec, Maria Alice Setubal, e o diretor superintendente da Fundação Volkswagen, Eduardo Barros, destacaram a iniciativa como fruto de uma parceria que completou uma década.Crédito: Divulgação Cenpec
“Tínhamos como dever disseminar todo esse conhecimento acumulado nesses 10 anos, compartilhando tudo o que aprendemos ao capacitar os mais de 12 mil educadores, nos 312 municípios brasileiros com os quais desenvolvemos nossos projetos”, afirmou Barros.

As informações são do Portal do Cenpec