publicado dia 23/06/2021

Assista ao debate “Escola: Equipamento Público para Garantia de Direitos”

por

Qual é o tamanho do desafio que temos em relação à exclusão escolar? Como a Educação Integral pode contribuir? E qual é o papel da escola nesse contexto? Estes foram alguns dos temas debatidos no evento online “Escola: Equipamento Público para Garantia de Direitos”, disponível no canal do YouTube do Centro de Referências em Educação Integral.

Leia + Com pandemia, reinvenção marca rotina de escolas e projetos liderados por jovens

“Estar na escola significa para muitas famílias, crianças e adolescentes, a única chance de ampliar sua capacidade de acesso a mundo de trabalho decente, de acesso a atividades econômicas com salários maiores e de permitir um desenvolvimento maior para si, sua família e a comunidade. Olhar para crianças e adolescentes pretas, pardas, indígenas, do norte e do nordeste, é absolutamente fundamental neste momento”, destacou Ítalo Dutra, chefe de Educação do UNICEF no Brasil, durante a conversa.

Além dele, participaram também Natacha Costa, diretora geral da Associação Cidade Escola Aprendiz, e Tereza Perez, diretora da Comunidade Educativa CEDAC. A mediação foi feita por Cleuza Repulho, consultora educacional. 

“A juventude de hoje, em 10 anos, conduzirá toda a sociedade, porque em uma década serão a maioria. Então precisamos criar condições para que eles criem seus projetos de vida com perspectivas de um mundo melhor para si e para todos”, disse Tereza.

Durante o evento, que é parte da implementação do projeto Educação Integral na Amazônia nos Estados do Amazonas, Amapá e Maranhão, Natacha também compartilhou as experiências de algumas redes e escolas que trabalharam a partir de uma concepção de educação integral: “As redes e escolas que, ao invés de usar materiais padronizados, promoveram um trabalho coletivo entre os professores para construir atividades com base na escuta das famílias, identificando o que é essencial, conseguiram maior engajamento dos estudantes”.

Educação e um ano de pandemia: como escutar o que as crianças querem?