publicado dia 17/05/2019

Após polêmica, Inep já tem novo presidente

por

Com informações da Agência Brasil 

O Ministério da Educação (MEC)  informou nesta sexta-feira, 17 de maio, que Alexandre Ribeiro Pereira Lopes será o novo presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Lopes assume o lugar deixado pelo delegado Elmer Coelho Vicenzi, que pediu demissão ontem (16), após menos de um mês no cargo.

Servidor público de carreira, Alexandre Pereira Lopes exerce atualmente o cargo de diretor legislativo na Secretaria Executiva da Casa Civil da Presidência da República. O novo presidente do Inep é formado em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Direito pela Universidade de Brasília (UnB).

Entenda a saída de Elmer Coelho Vicenzi

Elmer Vicenzi, que estava no cargo desde 29 de abril deste ano, pediu demissão nesta quinta-feira, 16, após divergências envolvendo transparência dos dados produzidos pelo Inep. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, ele insistia, com respaldo da equipe do MEC, que o Inep produzisse um parecer técnico que liberasse o acesso a dados pessoais dos estudantes da educação básica e superior.

 O objetivo do governo era utilizar essas informações sigilosas para fazer diversas ações, como cruzamentos para investigações, conferência com o programa Bolsa Família e a viabilização de uma carteirinha de estudantes que o governo pretende criar para esvaziar a principal fonte de recursos das entidades educacionais  – revelou a reportagem.

Vicenzi foi o terceiro a ocupar o cargo desde o início do governo Jair Bolsonaro – antes, passaram pela função Maria Inês Fini, que ficou 14 dias no posto, e Marcus Vinícius Rodrigues, que dirigia o órgão desde 22 de janeiro.

Autarquia vinculada ao Ministério da Educação, o Inep é responsável por avaliações como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), aplicado a estudantes desde a alfabetização até o ensino médio, além dos censos Escolar e da Educação Superior.

Gestão de Weintraub no MEC põe em risco qualidade da educação, apontam especialistas