publicado dia 30/07/2014

Pesquisadores afirmam: Harry Potter ensina tolerância

por

Um garoto com um raio na testa, um menino com uma família que enfrenta dificuldades financeiras e uma garota esperta que não sente que pertence inteiramente à sua sociedade. E, claro, todos os três são bruxos. O enredo da série de livros infantojuvenis Harry Potter, segundo estudo de psicólogos de diferentes universidades europeias, além de instigar a imaginação dos leitores, estimula que jovens apresentem mais tolerância e qualifiquem suas percepções sobre grupos estigmatizados, como homossexuais, imigrantes e refugiados.

Saiba +:  Especialistas apontam que a literatura é a base para o desenvolvimento integral das pessoas

Para tanto, o grupo de pesquisa, que reuniu cientistas das Universidades de Modena e Régio Emília, Padova e Verona, na Itália, e Greenwich, na Inglaterra, conduziu o estudo em três etapas. Na primeira delas, foi realizada pesquisa com 34 estudantes do que equivaleria ao 5º ano do ensino fundamental, que participaram de um curso de seis semanas estudando e discutindo os livros da série.

No início, os pesquisadores aplicaram questionários com as crianças sobre a percepção delas sobre os imigrantes, tema de importante discussão nos países do estudo. Os estudantes foram divididos e dois grupos, que leram trechos selecionados dos livros. O primeiro grupo discutiu preconceito e intolerância, assumindo eles próprios como personagens do livro, interpretando as passagens como se fossem parte da turma e o próprio Harry.  O outro grupo fez o mesmo, só que sem a interpretação dos personagens. Como resultado, aferiu-se que as crianças que se identificavam como Harry, apresentaram melhora expressiva na forma de perceber e agir em relação aos imigrantes.

Em um segundo momento, com 117 estudantes do ensino médio de uma escola italiana, os pesquisadores perceberam que a ligação emocional dos alunos com o personagem de Harry fazia com que os jovens fossem mais tolerantes à população LGBT. E, em uma terceira etapa, dessa vez com estudantes universitários, percebeu-se que a identificação com Harry não fazia os estudantes mais tolerantes aos refugiados. Contudo, indicou que aqueles que tinham menor conexão com o Lorde Voldemort – o vilão da história – melhoraram significativamente suas percepções e atitudes em relação à população em situação de refúgio.

Ainda como resultado do estudo, os pesquisadores perceberam que além dos resultados expressivos em relação a alguns grupos sociais, de maneira geral, os leitores da série apresentaram melhora na forma de perceber e reconhecer grupos marginalizados. Os autores, que publicaram o estudo na Revista de Psicologia Social Aplicada, periódico relevante na área, ainda afirmaram que, com o estímulo de um professor – envolvido no estudo -, os estudantes conseguiram entender que o constante apoio demonstrado por Harry aos “sangue ruim” (pessoas bruxas filhos de não-bruxos, os “trouxas”) e mestiços (pessoas filhas de bruxos e trouxas) era uma alegoria à intolerância na vida real.

O livro

Na série, além do perfil de defensor dos “trouxas, mestiços e sangue ruim”, Harry se mostrava companheiro de Ron, que embora filho de bruxos, vinha de uma família com variadas dificuldades financeiras. “A Hermione era bastante tolerante também. O trio – Ron, Harry e Hermione – lutava pelos direitos dos demais como um todo”, afirma Daiane Santos, 28, que leu a saga ainda adolescente.

Para a jovem, em Harry Potter o leitor encontra um mundo onde tudo é possível, para todo mundo, independente da realidade e contexto de cada um. “Mesmo caricatos, os personagens diferentes são os que contam e transformam a história”, explica, discutindo que, para ela, a magia da literatura reside justamente na possibilidade do encontro com outras realidades. “Leio porque quero me encontrar em outros cenários, me ver em outras situações. É aí que penso como eu seria se fosse diferente, o que eu faria, como eu agiria nessa situação, e isso transforma a forma como eu me vejo e como eu vejo os outros”, justifica.

Saiba + Países da África têm experiência leitora a partir de livros digitais

Beatriz Ribeiro Fraga, 12, estudante do 8º ano de uma escola na capital paulista, concorda com a ideia de que livros de fantasia como Harry Potter são sempre um convite a perceber e reconhecer a importância do diferente na sociedade. “Nessas histórias percebemos que as pessoas juntas, cada uma de um jeito, com as suas características , quando se unem, conseguem vencer seus desafios”, discute.

E, para a garota, os livros, independentemente do gênero, são sempre um convite para que o leitor se reconheça e descubra muito sobre si mesmo. “Os livros fazem com que a gente pense sobre quem somos e podem nos mostrar que podemos ser quem somos, e que também podemos nos transformar”.

A convite do Centro de Referências em Educação Integral, Beatriz e Daiane indicaram livros que convidam o olhar para a diferença. Confira:

Instrumentos Mortais (Cassandra Claire)

os-instrumentos-mortais-livro1Composta por seis volumes, a história narra a trajetória de Claire que, ao se deparar com um misterioso assassinato, inicia uma jornada fantástica a um mundo secreto, em que guerreiros lutam contra demônios para salvar a humanidade. “A série mostra que para alcançar os objetivos, as pessoas diferentes precisam se unir e que é preciso acreditar em si mesmo e nos outros”, explica Beatriz.

 

Jogos Vorazes (Suzanne Collins)

jogos vorazes

A série de três livros conta a história de uma garota que vive em um país dominado por uma tirania, que oprime diferentes povos em um regime de medo e opressão. Para manter o povo sob controle, realizam-se jogos mortais, em que crianças, representantes de cada distrito do país, lutam umas com as outras até a morte. “O livro nos faz pensar sobre nossas comunidades e sobre o papel que cada um de nós tem na vida do outro”, justifica Daiane.

Percy Jackson e os Olimpianos (Rick Riordan)

percyA história apresenta o garoto Percy, descrito no primeiro dos cinco livros da série, como um adolescente diagnosticado com déficit de atenção e dislexia. Sempre com dificuldades com os professores, em uma visita a um museu com a escola, Percy se vê atacado por monstros da mitologia grega que parecem saber mais sobre ele do que ele próprio. “O livro mostra que se você reconhecer as suas diferenças, se perceber como único em todo o mundo e se juntar a pessoas diferentes de você, é possível mudar seu destino”, indica, Beatriz.

Abusado – o dono do morro de Santa Marta (Caco Barcellos)

abusadoEscrito pelo jornalista Caco Barcellos como uma reportagem investigativa, o livro conta a história do líder do Comando Vermelho na comunidade de Santa Marta, no Rio de Janeiro, e como se constroem as pessoas envolvidas com tráfico de drogas no Brasil. “O livro nos faz enxergar de outra forma um mundo desconhecido da maioria de nós. Você conhece o personagem antes de julgá-lo e passa a entender como ele se tornou quem é”, conclui Daiane.

 

 Com informações do Arts.mic

10 livros infantis que debatem direitos humanos de forma simples