publicado dia 21/05/2014

Mundial de futebol de rua reúne jovens de todo mundo em julho

por

Em julho, São Paulo irá se tornar um grande campo de futebol. Além da Copa do Mundo da FIFA, uma outra competição toma conta da cidade: o Mundial Futebol de Rua. Vindos de 24 países de todos os continentes do mundo, 300 jovens irão pisar em solo paulista para mostrar que a paixão nacional também pode acontecer nas ruas, por meio do Futebol Callejero.

Reprodução

“O futebol é um agregador de pessoas, é difícil ter uma modalidade esportiva que se iguale. Ele não vai mudar o mundo, mas permite algumas ações relacionadas diretamente aos direitos humanos”, aponta  Rodrigo Medeiros, coordenador de mobilização do Mundial, organizado, no Brasil, pela Ação Educativa e pelo Movimento de Futebol Callejero.

As partidas acontecem de 7 a 11 de julho, nas “arenas” do Largo da Batata (Pinheiros) e a grande final no dia 12/7, na arena da Avenida Ipiranga. Além das partidas, os movimentos sociais participantes realizam reflexões sobre os desafios e desigualdades sociais. A final será acompanhada de uma festa com shows de artistas da periferia. “Todas as ações são vinculadas a ações culturais, microfone aberto, grafitagem, apresentação de artistas e uma tribuna aberta aos movimentos e suas bandeiras. O nosso discurso não é comprar a copa, mas sim bater na FIFA e sua violação de direitos”, afirma Medeiros. Como parte das ações, as delegações participarão do dia 1 ao dia 6 de atividades nos Centros Educacionais Unificados (CEUs), onde também se hospedarão. A ideia é apoiar a troca e compartilhamento entre os diferentes grupos e deles com as comunidades do entorno.

Leia também: “Além de ser motivador para os alunos, o esporte trabalha a socialização dos conhecimentos”

Nesta edição, a proteção ao meio ambiente também recebe grande atenção. Uma parceria com a SOS Mata Atlântica irá permitir que toda a emissão de carbono provocada pelo evento seja recompensada com a plantação de mudas. O uso otimizado de energia solar e de materiais recicláveis será prioridade na proposta.

Realizada na última semana de maio, a Semana Mundial do Brincar, organizada no Brasil pela Aliança pela Infância, também entrará na atividade. No dia 25 de maio, acontecem jogos para apresentar a metodologia do Futebol de Rua. É esperado um jogo entre as comunidades boliviana e paraguaia, que sempre ocuparam o centro da capital.

Sobre o Futebol Callejero

Nesse jeito diferente de jogar, não há juiz, tampouco as regras tradicionais encontradas nos jogos oficiais. Na metodologia do Futebol Callejero, quem decide como será a partida são os próprios jogadores, a partir de uma discussão prévia realizada em grupo, fazendo da prática esportiva uma forma de socialização entre grupos diferentes. Dividido em três partes, que são a decisão das regras, o jogo em si e um balanço de como respeitaram os combinados, o jogo é acompanhado por um mediador, que colabora para com a cultura de paz , inclusão e cooperação entre os participantes.

Ao fim do jogo, todas as informações anotadas em planilha – como gols e valores praticados durante a partida – são colocadas na balança para a decisão do ganhador. Diferente do modelo tradicional, nesse tipo de jogo não vence quem fez mais gols, mas sim a equipe que melhor cumpriu aquilo que combinaram anteriormente.

Campanha no catarse

Cada equipe terá, em média, 10 jovens para as disputas. Algumas delas, no entanto, ainda não conseguiram recurso suficiente para participar da competição. Por isso, está sendo realizada uma campanha de arrecadação até o dia 25 de junho. A meta é alcançar R$ 60.000. Os doadores podem escolher sete cotas. O valor mínimo, de R$ 50,00, oferece uma camisa oficial do Mundial e o maior, no valor de R$ 10 mil, uma camiseta oficial do Corinthians autografada. Saiba mais e participe!

Com informações do site Mundial de Futebol de Rua