publicado dia 06/01/2016

Estudantes ocupam escola em Minas Gerais contra implementação de colégio militar

por

Estudantes secundaristas ocupam desde terça-feira (6/01) a Escola Estadual Ricardo Souza Cruz, em Belo Horizonte (MG), em protesto contra o projeto do deputado estadual Cabo Júlio (PMDB-MG) que pretende transformar a escola em uma unidade do Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais, um colégio militar, retirando de lá os estudantes que hoje a frequentam.

No dia 23 de dezembro do ano passado, o parlamentar fez um post em seu blog afirmando que havia dito ao governador Fernando Pimentel (PT-MG) que as escolas militares de Belo Horizonte não comportavam mais o número de alunos e que era preciso expandir as unidades do tipo.

“Na semana passada, eu disse na solenidade em Montes Claros pessoalmente ao Governador Fernando Pimentel que as unidades atuais do CTPM (Colégio Tiradentes da Polícia Militar) em Belo Horizonte não comportam a demanda e que era preciso aumentar o numero de vagas para os filhos de militares. Ele me perguntou qual solução poderia ser dada ainda este ano. A unidade caiçara foi a solução para atender, já em fevereiro, os filhos dos militares”, afirmou Cabo Júlio.

Segundo os estudantes, o preenchimento de vagas em colégios militares atende prioritariamente filhos de policiais militares e de bombeiros. As vagas que sobram são preenchidas por meio de processo seletivo.

“O colégio mais próximo fica longe e é preciso pegar um ônibus que custa R$ 3,40 para ir para lá. Como ficam os quase 400 estudantes que serão retirados da escola para dar lugar ao Colégio Militar?”, pergunta Clauderson da Silva, da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes).

De acordo com o estudante, não houve diálogo algum sobre sobre as mudanças com a direção da escola, alunos, professores e a comunidade do entorno do colégio, que existe há pelo menos 50 anos.

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria de Educação de Minas Gerais confirmou que estuda a possibilidade de transformar a escola em uma unidade da Colégio Tiradentes da Polícia Militar, mas disse que o projeto prevê a continuidade do funcionamento normal da escola.

“A Secretaria de Educação de Minas Gerais confirma que está estudando a possibilidade de coabitação no espaço da escola com uma unidade do Colégio Tiradentes da Polícia Militar. Dessa forma, o funcionamento da Escola Estadual Professor Ricardo de Souza Cruz ficaria concentrado nos turnos da manhã e da noite, atendendo as séries iniciais do ensino fundamental, ensino médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA), e as dependências do prédio passariam a ser utilizadas no turno da tarde pelo Colégio Tiradentes”.

O governo estadual afirmou que a ocupação ocorre de forma pacífica e que está aberta ao diálogo com os estudantes. “A Secretaria informa que está acompanhando a movimentação e está aberta ao diálogo para esclarecer os questionamentos diante das reivindicações da comunidade escolar”.

 

Qual o legado da ditadura civil-militar na educação básica brasileira?