publicado dia 06/12/2013

Coordenadores do Mais Educação e Universidades lançam Carta Aberta pela Educação Integral

por

Durante o II Seminário Internacional de Educação Integral em Jornada Ampliada, realizado no Auditório do Conselho Nacional de Educação, em Brasília (DF), no último dia 29, coordenadores do Programa Mais Educação e representantes de universidades brasileiras que atuam com o tema divulgaram Carta Aberta à presidenta Dilma Rousseff, valorizando o programa e a necessidade de sua continuidade no país.

Anna Cecília lê a carta

Anna Cecília lê a carta. Créditos: CR_ei

Redigida durante o encontro pelos coordenadores e universidades presentes, o documento foi resultado de um processo colaborativo. “Nos dividimos em grupos por temas, propusemos redações iniciais e, ao final, reunimos a produção em uma que respondesse o trabalho e os desejos de todos”, explicou Anna Cecília Simões, diretora de Educação Integral da Diretoria Regional de Educação (DRE) do Butantã, em São Paulo (SP).

Entre as universidades signatárias da carta, encontram-se os departamentos de educação das universidades federais do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Pará e Paraná.

André Lázaro (FLACSO) e Jaqueline Moll (MEC)

André Lázaro (FLACSO) e  Jaqueline Moll (MEC) Créditos: CR_ei

A carta foi lida e aclamada pelos participantes, após uma ciranda conduzida por educadores e integrantes do projeto Felipe Camarão, de Natal (RN). Na mesma seção, educadores, organizações sociais, universidades e equipes técnicas dos ministérios da Educação, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e da Cultura  foram homenageados pela diretora de Currículos e Educação Integral da Secretaria da Educação Básica (SEB), Jaqueline Moll.

Leia a carta na íntegra:

II Seminário Internacional de Educação Integral em Jornada Ampliada

Auditório do CNE – Brasília/DF

Novembro/2013

CARTA ABERTA – MANIFESTO

Ilustríssima Senhora

Presidenta Dilma Rousseff,

Nós, educadores brasileiros, em 2007, desencadeamos, uma “revolução educacional” nada silenciosa e discreta, junto às comunidades de todas as cidades desse grandioso país, poderosa nação brasileira. Para a escola levamos  a Cultura:  Chico Buarque, Mestres Grios, Picasso,  Portinari, Palhaço Carequinha, Botero, Capoeiristas, Coquistas, toda a Cultura Popular, tantos Joãos e Marias, levamos  o Esporte e o Lazer:  Pelés,  Joãos do Pulo, Aurélios Miguel, Martas, Daianes dos Santos, Marias e Clarices… a leitura e criação de jornais “mídias oficial e alternativa”,  a matemática lúdica…. levamos a cor… a risada… a imagem… a dança… as rodas de  conversa… e mais, levamos as mães, como monitoras, e jovens monitores protagonistas de sua História, para zelar pela alimentação da escola de seus filhos.  Hoje são as novas pedagogas e professoras, educadoras, nesse lindo desdobramento construído a muitas mãos. Ressignificamos espaços e tempos escolares, transformando a cidade numa grande “sala de aula”, autêntico Território Educativo.

O Ministério da Educação, foi o grande parceiro, quando possibilitou, conjuntamente com inúmeras Instituições Públicas e até Privadas a criação de uma grande orquestra de múltiplos sujeitos desejosos de executar,  em uníssono, sua obra – a sinfonia (ou sanfonia) da Educação Integral em Jornada Ampliada.  Essa sinfonia que une do norte ao sul, o sertão à floresta, o campo à cidade teve uma maestrina, que conduziu com rara humanidade vários milhares de corações-instrumento:  estudantes, meninos e meninas, jovens e adolescentes, adultos e idosos, monitores, professores, parceiros, gestores que bateram e soaram, a partir da condução vigorosa e delicada da batuta de Jaqueline Moll.

À Professora Jaqueline Moll, nosso profundo respeito e reconhecimento por seu comprometimento absoluto e visceral, na composição autoral e coletiva dessa grandiosa “sinfonia inacabada” – a Educação Integral como Política Pública Nacional, consubstanciada no Programa Mais Educação, verdadeiro “divisor de águas” na Educação Brasileira.

A partir de seu competente trabalho desenvolvido com dedicação pessoal e profissional, diuturnamente, nos últimos seis anos, foi colocada na agenda do debate nacional e internacional a necessidade premente da implementação da Educação Integral como elemento fundamental do Sistema de Garantia de Direitos, bem como o resgate da discussão do que conclamavam os Pioneiros da Educação Brasileira de 1932, ESCOLA PÚBLICA, POPULAR, REPUBLICANA E DEMOCRÁTICA PARA TODOS ,  uma Escola  pensada para os estudantes de todas as classes sociais, indistintamente, sem quaisquer formas de segregação e exclusão, voltada  indissociavelmente às comunidades com  suas demandas e prioridades,  escola de diversidades e de direitos, voltada para um sujeito autônomo, detentor de uma cidadania plena, por meio de um currículo que articula diferentes conhecimentos e saberes, em que o tempo e o espaço se expandem, na perspectiva de uma responsável  pela Formação Humana Integral.

O resultado desse Trabalho envolveu diretamente Estados, Municípios e Escolas, e teve a adesão de 50 mil Escolas em 2013, ou seja, quase 1/3 das escolas públicas do país!!

Isso representa 19 milhões de estudantes.

Desse total, 32 mil Escolas são aquelas que recebem a maioria de estudantes em situação de pobreza, ou seja, o Programa chega aos territórios mais vulneráveis, perfazendo um total de 9 milhões de estudantes com esse perfil (beneficiários do Programa Bolsa Família)

O Programa Mais Educação contribui para a articulação entre diversos setores, gerando maior eficiência na implementação de Políticas Públicas e na articulação entre os diversos Entes Federados.

Esse enorme avanço político e social demonstra que a Educação Integral deve ser consolidada como Política Pública prioritária. O número de Escolas que iniciaram sua implementação não pode retroceder, tendo os Estados e os Municípios papel central na Gestão direta e na Formação de todos os envolvidos.

Nós, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo,  Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Tocantins, Bahia, Pernambuco, Piaui, Ceará,  Alagoas, Sergipe, Paraíba, Maranhão, Rio Grande do Norte, Amazonas, Rondônia, Roraima, Amapá, Acre e Para, suas capitais e municípios e as Universidades como signatárias deste manifesto.

Declaramos, assim, nossa convicção de que a nação não pode “desafinar” na composição dessa Política Pública.

EDUCAÇÃO INTEGRAL EM JORNADA AMPLIADA deve ser uma Politica de Estado radicalizada e ratificada por Vossa Excelência, nossa GRANDE COMPANHEIRA DE JORNADA NA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO JUSTA E IGUALITÁRIA, RADICALMENTE FELIZ E LIVRE!

Perguntas e respostas: MEC esclarece dúvidas sobre Novo Mais Educação