United World College promove a paz entre os povos por meio da educação

Publicado dia 29/04/2014

LPC_RitaSantos_2004Graduation306x255

Créditos: Reprodução

A UWC (United World Colleges, ou Colégios do Mundo Unido) surgiu em 1962, na Europa, no contexto da Segunda Guerra Mundial e Guerra Fria, conflitos que reforçaram a necessidade de se buscar novas formas de cultivar a paz entre os povos.

Um de seus fundadores, o educador alemão Kurt Hahn, acreditava que uma possível resposta para a promoção da cultura de paz estaria em um ambiente capaz de promover a compreensão por meio da educação, o que significaria proporcionar a convivência entre as mais variadas raças, culturas, nacionalidades, religiões e orientações políticas.

A metodologia faz dos alunos os defensores da paz a partir de uma aprendizagem baseada no compartilhamento, na colaboração e compreensão. A ideia é que a resolução dos conflitos internos da comunidade escolar elimine as tensões existentes na sociedade.

A vivência dos alunos é quase integralmente dedicada aos estudos e formações complementares. Entre os valores trabalhados estão:  compreensão internacional e intercultural, celebração da diferença, responsabilidade pessoal e integridade, responsabilidade e respeito mútuos, compaixão e serviço, respeito ao meio ambiente, senso de idealismo, desafio pessoal, ação e exemplo pessoal.

Também faz parte da experimentação a acomodação de alunos oriundos de diferentes lugares para que, além da diversidade cultural, seja abordada a importância do espaço do Outro.

A estrutura UWC

A rede está presente em 14 países – Alemanha, Armênia, Bósnia -Herzegóvina, Canadá, Cingapura, Costa Rica, Estados Unidos, Holanda, Hong Kong, Índia, Itália, Noruega, País de Gales e Suazilândia. São 12 unidades escolares ativas, com previsão de inauguração de mais duas em 2014.  Os colégios estão divididos em duas categorias: os que oferecem um curso de dois anos, com nível pré-universitário, baseado no Bacharelado Internacional (IB – International Baccalaureate), e os que oferecem esse programa dentro de colégios maiores, dando oportunidade a estudantes de outras faixas etárias viver em uma comunidade UWC.

O ingresso dos estudantes é feito anualmente por meio de uma seleção organizada pelos comitês nacionais, que se estruturam a partir de uma rede voluntária -geralmente composta de ex-alunos; estes, por sua vez, se reportam a um conselho consultivo. O Brasil conta com um comitê que não apenas seleciona alunos para ingresso nessas unidades, como também cuida do preparo para a ida deles a uma dessas unidades.

O processo seletivo é feito em três etapas: a primeira delas é um exame de português, matemática, conhecimento gerais e lógica. Dessa fase são selecionados 46 alunos, posteriormente convocados para entrevistas com profissionais de psicologia, saúde e ex-alunos. Por fim, um grupo de, em média, 15 ou 16 estudantes passam por um período de vivência com seis ex-alunos. Daí saem os bolsistas da rede.

Propositalmente, esses colégios localizam-se em comunidades pequenas estimulando o convívio entre os alunos.

O programa acadêmico

O cotidiano dos alunos se dá em torno de dois núcleos principais: o Programa Acadêmico, que segue o Bacharelado Internacional; e o Programa de Atividades, uma especificidade dos colégios UWC.

1) Programa Acadêmico: Bacharelado Internacional
Os colégios da rede seguem o currículo do Bacharelado Internacional (IB). Este sistema educacional foi criado em resposta à necessidade de um diploma que pudesse comprovar a conclusão do ensino médio em diferentes sistemas educacionais. O currículo acadêmico de dois anos orientado pelo Bacharelado Internacional (IB) culmina em um exame reconhecido por universidades no mundo todo. Tal exame é aplicado no colégio, mas é administrado e avaliado externamente em Genebra (mais informações podem ser obtidas na página do IB na Internet: www.ibo.org). No Brasil,  a aprovação no exame do IB é reconhecida pelo MEC como comprovação de conclusão do ensino médio e permite o acesso ao vestibular.

O programa apresenta uma ampla gama de disciplinas permitindo a estruturação de um currículo compatível com os interesses do aluno e, ao mesmo tempo, condizente com o objetivo de uma educação liberal e coerente. O aluno deve cursar seis matérias devendo escolher uma de cada um dos seguintes grupos:

Língua A – geralmente a língua na qual o aluno é mais fluente. Este curso inclui estudo de literatura mundial (os alunos brasileiros devem obrigatoriamente cursar Língua Portuguesa como Língua A para poderem obter a equivalência do MEC. Todos os colégios oferecem este curso. Em alguns ele é ministrado por professore portugueses ou brasileiros. Em outros colégios cursa-se um programa chamado self-taught (auto-ensino) que consiste em aulas em inglês sobre literatura mundial e leitura de literatura brasileira e portuguesa por conta do aluno. Nas provas finais, ambos os conteúdos, de literatura mundial e em língua portuguesa, são cobrados em língua portuguesa).

Língua B – segunda língua em vários níveis de acordo com o conhecimento do aluno. Algumas opções são: espanhol, italiano, inglês, francês, alemão, norueguês, chinês etc.

Estudo de indivíduos e sociedades – economia, história, sociologia, antropologia, geografia, filosofia, estudos chineses etc.

Ciências Experimentais – biologia, química, química aplicada, física, estudos ambientais etc.

Matemática – várias opções de curso são oferecidas para uma escolha apropriada de acordo com o interesse e a habilidade do aluno.

Arte, Música ou uma segunda opção dos grupos 1, 2, 3, ou 4.

É necessário ter em mente que as opções de matérias acima citadas variam ligeiramente de acordo com o colégio.

Os alunos também devem cursar a matéria Teoria do Conhecimento por dois semestres estudando assim a relação entre as diferentes disciplinas; escrever uma monografia com tema a ser escolhido pelo aluno e sob supervisão de um professor; e participar ativamente do programa de atividades oferecido pelo colégio.

mahindra

Créditos: Reprodução

Programa de Atividades

Além das aulas do período da manhã, os alunos participam de outras atividades no período da tarde e noite, alguns dias por semana. Na rede, a formação é complementada por atividades esportivas, artísticas, de serviço social e de engajamento cívico. A cada semestre, os alunos devem participar de pelo menos uma delas, de duas a quatro horas semanais. Há também palestras regulares sobre temas como: relações internacionais, regiões ou países específicos, desenvolvimento sustentável, etc. Os alunos ainda organizam shows multiculturais, nos quais apresentam danças ou outras formas de expressão típicas de seus países.

Início e duração: de 1962 até os dias atuais.
Local: a rede UWC (United World Colleges) está presente em 14 países.
Responsáveis:

Principais resultados

Atualmente, a rede conta com mais de 50.000 ex-alunos que, com a ajuda de voluntários, viabilizam o processo seletivo de novos alunos a cada ano – garantindo diversidade étnica, religiosa e sócio-econômica.

A partir de uma leitura compartilhada de mundo, os alunos são orientados para uma postura mais crítica, questionadora e flexível, muito em parte adquirida pelas relações estabelecidas.

Contatos:
UWC Brasil: http://www.uwc.org.br/
Facebook: https://www.facebook.com/BrasilUWC

Como as escolas podem debater tragédias e conflitos com as crianças?