Em Santa Catarina, a rádio escola Pietrulla colabora na divulgação de atividades educomunicativas

Publicado dia 24/09/2013

Iniciativa: Rádio Escola Pietrulla

Pública ou Privada: Pública

Descrição

Desde abril deste ano, o horário de intervalo dos estudantes da escola pública Dom Anselmo Pietrulla, no município de Capivari de Baixo, em Santa Catarina, tem sido um momento diferenciado. É que, além de lanches e brincadeiras, os estudantes contam também com a programação da Rádio Escola Pietrulla, trazendo informações e novidades sobre a escola para todos os estudantes, professores e demais funcionários. foto_estudio/Crédito:simoneporton

A rádio escolar surgiu em novembro de 2012, quando a escola passou a ser contemplada pelo Programa Mais Educação, do Ministério da Educação (MEC), que trouxe um recurso pedagógico a mais para o espaço escolar: um estúdio totalmente destinado à produção radiofônica.

Mas foi em 2013, com a chegada da voluntária e pesquisadora de Educomunicação da Universidade Estadual de Santa Catarina, Simone Porton, que a utilização do estúdio passou de fato a fazer parte da vida dos estudantes, colaborando na aprendizagem e criando novos espaços de diálogo no ambiente educativo.

Qual a diferença entre “a rádio” e “o rádio”?

No processo de pesquisa, Simone perguntou aos estudantes qual era a diferença entre as expressões “a rádio” e “o rádio”. As respostas foram as mais curiosas possíveis, mostrando como a Educomunicação pode levar estudantes à reflexão sobre o uso das mídias. “O rádio é o radinho normal e a rádio é que transmite os sons” (Aluno de 11 anos).

Desde então, Porton vem desenvolvendo oficinas de rádio com 20 estudantes, em atividades que mostram desde a história do rádio a como utilizar os equipamentos existentes em um estúdio. As atividades ocorrem no contraturno escolar de cada grupo de alunos. Os que estudam pela manhã realizam a produção no período vespertino e os da tarde, a produção veiculada na manhã.

Metodologia que dá certo

credito_simoneporton

Antes de colocar as mãos na massa, os estudantes passaram por oito encontros que tiveram como objetivo despertar em cada um deles o interesse pela linguagem radiofônica. A partir da troca de saberes que cada um trazia de casa, os oito primeiros encontros foram destinados a oficinas teóricas, que mostraram aos estudantes como o rádio surgiu, quais eram os aspectos de uma rádio focada em educação e como utilizar os equipamentos.

Nesse momento, os adolescentes aprenderam os diversos gêneros radiofônicos e os passos para a criação de uma reportagem. Após esse período, teve início a procura das pautas, redação , gravação e edição, contando com a participação de todos os envolvidos – processo que se repete a cada nova oficina.

O objetivo do projeto de pesquisa é refletir sobre as contribuições que o desenvolvimento de uma prática educomunicativa, por meio do uso da linguagem radiofônica no espaço escolar pode oferecer para a autonomia dos alunos.

Segundo Porton, a proposta é que a escola possa se apropriar de novas linguagens fornecendo recursos que ajudam a proporcionar novos espaços de diálogos para a construção de ecossistemas comunicativos.

Além disso, o projeto de comunicação é uma oportunidade de manter toda a comunidade escolar informada sobre as atividades que ocorrem na escola, alinhando o projeto pedagógico ao cotidiano de todos os funcionários, já que a rádio busca informar quais são as atividades que estão acontecendo, assim como as viagens, eventos envolvendo a comunidade do entorno, e orientações aos estudantes sobre as conteúdos das matérias da sala de aula.

Início e duração: 2012 até os dias atuais.
Local: Escola Básica Municipal Dom Anselmo Pietrulla, em Capivari de Baixo (SC).
Responsáveis: Escola Básica Municipal Dom Anselmo Pietrulla

Envolvidos e parceiros: Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Ciências Humanas e da Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Financiamento: Os equipamentos do estúdio foram todos custeados por meio do Programa Mais Educação, do MEC. A pesquisadora possui bolsa de estudos para o desenvolvimento de sua dissertação de mestrado, mas atua como voluntária na escola.

Principais Resultados

São inúmeros os resultados positivos que a  a prática de uma linguagem comunicativa pode trazer para o ambiente escolar. Na Dom Anselmo Pietrulla, foi possível perceber o grande envolvimento da rádio com os professores e demais alunos.

Hoje, existem cinco programas de gêneros que vão de variedades a meio ambiente, que têm conciliado para a transversalidade das disciplinas ensinadas.

A experiência de um estudante com TDAH

Um dos participantes da oficina de rádio tinha algumas dificuldades de acompanhamento das disciplinas regulares, por possuir transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH). Mas, ao entrar na oficina de rádio, foi possível notar um grande avanço em sua aprendizagem, uma vez que passou a se comunicar mais e se envolver com atividades entre os colegas.

 

A busca pela pauta na escola

Desde que passaram a fazer parte da produção da rádio, os estudantes se aproximaram muito mais da comunidade escolar, principalmente de seus professores e direção da escola, já que, a todo momento, estão em busca de novas pautas. Mas, além disso, ocorreu também o movimento ao contrário: os professores passaram a procurar os alunos da rádio para que eles transmitissem avisos ou divulgassem os trabalhos que vêm sendo desenvolvidos pelos estudantes das outras séries.

Além do maior envolvimento entre  os membros da comunidade escolar, foram notados aspectos muito importantes na aprendizagem. Os estudantes participantes passaram a ter maior interesse pela leitura e também pela pesquisa, vencendo tradicionais dificuldades da escola no processo de ensino-aprendizagem.

Contatos
Escola Básica Municipal Dom Anselmo Pietrulla
Telefone: (48) 3623 2555
Facebook: Acesse o site da escola aqui.

 

 

Educomunicação e políticas públicas: os desafios e as contribuições para o programa Mais Educação