Ao Quadrado mostra como aplicativos podem ser utilizados por professores e alunos

Publicado dia 17/02/2014

Se antes as crianças se contentavam em copiar conteúdos, hoje o giz e a lousa já não fazem mais sentido, em meio a tantos recursos tecnológicos disponíveis. Para atender às necessidades dos estudantes do século XXI, professores vêm buscando ferramentas que façam sentido à vida de seus estudantes e fomentem o aprendizado.

Fácil de manusear e de baixo custo, os aplicativos  de celular vêm se apresentando como potentes complementos para o trabalho dos docentes. E foi assim, pensando nesse cenário, que a ONG Ao Quadrado passou a ministrar oficinas e disponibilizar metodologia e ferramentas para que juntos – professores e estudantes – possam desenvolver aplicativos (apps) com fins educacionais.

Em 2012, os idealizadores da Fábrica de Aplicativos, plataforma que permite a criação e compartilhamento de aplicativos sem a necessidade de programação, foram convidados a desenvolver, durante seis meses, oficinas de desenvolvimento de apps na ONG Casa do Zezinho, que atua com crianças e jovens em situação de vulnerabilidade na Zona Sul de São Paulo. A experiência foi tão bem sucedida que abriu caminho para o projeto acontecer também no município de Belterras, ao sul de Santarém (PA), onde 65 alunos e 35 professores receberam formação ligada às tecnologias da informação (TICs).

No mesmo ano, a equipe da Fábrica ingressou em uma aceleradora de negócios sociais, quando o nome Ao Quadrado surgiu e a proposta – testada em Belterras e São Paulo -, ganhou mais força e começou a alcançar outras escolas e redes de ensino, problematizando, inclusive como a criação e uso de games e aplicativos poderiam compor o currículo escolar.

Mãos no tablet

Durante as oficinas, os professores são convidados a atuar em parceria com os estudantes. O aluno, responsável por estruturar o aplicativo, se torna protagonista do próprio aprendizado e o professor um orientador, facilitando a interação entre aquilo que o estudante deseja concretizar e o conhecimento e informação necessária para isso.

Ainda como ação da Fábrica de Aplicativos, a oficina permitiu que o Colégio Bandeirantes, da rede particular paulistana, desenvolvesse um aplicativo com os estudantes do ensino médio para receber novos alunos. O app permite que o estudante acesse informações sobre a escola, região do entorno e conecta todos às redes sociais do colégio. Segundo os professores, o instrumento permitiu maior proximidade com os alunos, que passaram a reconhecer na web espaços de diálogo e interação da comunidade escolar para além da sala de aula. De acordo com os idealizadores da Ao Quadrado, quanto mais o professor se aprimora na utilização desses recursos, maior é seu contato com os alunos, já que assim as diferentes gerações conseguem criar maior diálogo e trocar conhecimentos, potencializando o processo de aprendizagem.

aplicativo 1Testada com escolas particulares e em organizações sociais e rede pública, a metodologia apresenta não só o passo a passo ferramental para a criação do app, mas a proposta de que estudantes e professores discutam o porquê da ferramenta, seu uso em e fora da sala de aula, sua relação com o currículo e sua utilidade na aprendizagem dos estudantes. A ideia busca estimular o “aprender fazendo” e a tradução do tema em questão em um produto colaborativo, desenvolvido a partir das inquietações dos estudantes e do estímulo docente.

Formalizada em janeiro de 2014, a Ao Quadrado tem se dedicado a gratuitamente compor parcerias e divulgar a metodologia para escolas e secretarias, bem como apoiar iniciativas que congreguem novas tecnologias e uma educação baseada no diálogo entre estudantes e professores.

Início e duração: A Fábrica de Aplicativos surgiu em 2012 e segue até os dias atuais. Fruto das ações pedagógicas da Fábrica, a Ao Quadrado teve início em janeiro de 2014.
Local: São Paulo.
Responsáveis: Ao Quadrado
Envolvidos e parceiros: Catraca Livre, Centro Ruth Cardoso, Fundação Telefônica Vivo

Principais Resultados

A Fábrica de Aplicativos já viabilizou a criação de mais de 80 mil aplicativos, com os mais diversos fins e usos. Com a vertente educacional – formalizada em janeiro de 2014 como ONG Ao Quadrado -, a metodologia já alcançou diferentes instituições – formais e não formais – de ensino.

aplicativo 2Uma professora do colégio I.L. Péretz, também da rede de particulares de São Paulo, mobilizou seus estudantes a trabalhar a Ditadura Militar do Brasil criando um app sobre o assunto. A ferramenta foi criada por 43 estudantes do 9º ano que, juntos, entrevistaram pessoas, resgataram documentos e coletivamente traçaram a memória ainda presente dos anos de chumbo no país. O produto foi consequência de uma vasta atividade de pesquisa, em diálogo direto com o currículo escolar, congregando o apoio de outros professores e de outras disciplinas.

O 2º ano do Ensino Médio do colégio Gracinha, na cidade de São Paulo, também desenvolveu aplicativo para apoiar o projeto Metrópoles e Cidadania, uma iniciativa interdisciplinar. Por meio do app, os estudantes puderam compartilhar informações, organizar as atividades e tarefas necessárias e se preparar para execução da atividade, presencial, e em diálogo com outras séries e comunidade escolar.

As ferramentas e metodologia passaram a alcançar possibilidades em toda a comunidade escolar; em diferentes ocasiões, os aprendizados impactaram pais dos alunos, que puderam produzir apps para qualificar a relação com a escola e apoiar o aprendizado de seus filhos. Um exemplo foi novamente no colégio Gracinha, quando um grupo pais montou um game que trazia fotos dos espaços públicos localizados ao redor da unidade educacional, incentivando o diálogo da escola com a comunidade do entorno.

Além dos aplicativos  – que foram resultado das oficinas -, o projeto acabou inspirando outros professores a utilizar os apps em suas aulas. Exemplo disso foi o que fez o professor do Departamento de Patologia da USP, Luiz Fernando Ferraz da Silva, que  passou a utilizar um aplicativo para atividades extra-classe.

Imagem: Aoquadrado

Imagem: Aoquadrado

Contatos
Site: http://fabricadeaplicativos.com.br/ 

No Amazonas, escolas usam tecnologia para superar isolamento