Experimentação
Práticas

Fab Lab

Os fab labs (fabulous laboratory ou laboratório fabuloso) são laboratórios de criatividade que fomentam o espírito de inovação, oferecendo acesso às tecnologias de fabricação digital, eletrônica, técnicas tradicionais (marcenaria, elétrica e eletrônica), além de práticas artísticas. São espaços para criar, testar, errar, aperfeiçoar e desenvolver projetos de experimentação. Por meio de dinâmicas colaborativas de criação e compartilhamento do conhecimento, os fab labs permitem que os educadores e educandos ressignifiquem seus processos de aprendizagem, seja por meio de projetos individuais e/ou coletivos.

Esses laboratórios têm sua origem no movimento maker ou “faça você mesmo” e estão espalhados por universidades, indústrias, equipamento culturais e escolas em todo o mundo. São espaços de experimentação que permitem que as pessoas fabriquem objetos e protótipos de forma rápida, barata e experimental, apoiadas por metodologias que estimulam, primeiramente, a prática (ainda que intuitivamente) e só depois a teorização dos conteúdos específicos.

Leia + Movimento “Faça você mesmo” chega à escola

O conceito é muito difundido nos EUA e vem crescendo no Brasil, trazendo novas formas de reorganizar os conteúdos curriculares e estimulando novas dinâmicas de ensino-aprendizagem, dentro e fora do espaço escolar. O projeto FabLab@School, criado em 2008 pelo brasileiro Paulo Blikstein, foi a primeira iniciativa que levou os fab labs para dentro da escola. Como espaços de criação que favorecem a autonomia, o protagonismo, a curiosidade e muita criatividade, estes laboratórios permitem que os educadores acrescentem o componente da experimentação à sala de aula.

Paulo Blikstein, professor de Stanford e criador do Fablab@School, acredita que em 5 ou 10 anos, toda sala de aula será um fab lab. Confira a entrevista exclusiva produzida pelo site Porvir.

Entretanto, apesar de o movimento maker ser naturalmente associado à tecnologia, não se deve limitá-lo às escolas privadas de alto padrão. Mais relevante do que ter um laboratório equipado com computadores, impressoras 3D, cortadora a laser e fresadoras, o que define o real sentido da cultura maker é que seja cultivada, na comunidade escolar, a liberdade para que os estudantes busquem os temas que os mobilizam, garantindo sentido e legitimidade aos processos criativos.

Veja também: “Mapeamento em mais de 30 países identifica cinco tendências em Educação”

Como fazer

Planeje

O Blog Fazedores traz várias novidades e dicas sobre assuntos relacionados ao movimento maker. Confira.

Implemente

Confira aqui no site Sítio do Astronauta alguns tutoriais de atividades mão na massa e desenvolva com seus alunos.

Avalie

Institucionalize

Veja também: “Como construir um Espaço Maker inclusivo?”

Aprendendo com quem faz

Fab Lab Livre SP

As escolas de São Paulo contam, desde 2015, com uma Rede Pública de Laboratórios de Fabricação Digital (Fab Lab Livre SP). O fab lab é um laboratório de criatividade, aprendizado e inovação, acessível a todos interessados em criar, desenvolver e construir projetos. Por meio de processos colaborativos de criação, compartilhamento do conhecimento e do uso de ferramentas de fabricação digital, o Fab Lab Livre SP traz à população de São Paulo a possibilidade de aprender, projetar e produzir diversos tipos de objetos, e em diferentes escalas.

Os laboratórios são equipados com impressoras 3D, cortadoras a laser, plotter de recorte, fresadoras CNC, computadores com software de desenho digital CAD, equipamentos de eletrônica e robótica, e ferramentas de marcenaria e mecânica. Os Fab Labs Livre SP contam com uma equipe dinâmica, que incentiva o aprendizado compartilhado e a criatividade por meio do fazer, realizando cursos e orientando o desenvolvimento de projetos.

Frutos de uma parceria entre a Prefeitura Municipal de São Paulo e o Instituto de Tecnologia Social, os Fab Labs Livre SP oferecem formações, oficinas e palestras, disseminando a produção do conhecimento em tecnologia, ciência, arte e inovação. Ao todo, são 12 laboratórios que integram a Rede Pública de Laboratórios de Fabricação Digital, abrangendo todas as regiões do município.

Como exemplo, na parceria entre o Fab Lab – Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes e uma escola pública de Sapopemba (zona leste de São Paulo), os alunos, orientados pelos educadores e monitores do laboratório, criaram um microscópio de Ciências, reutilizando os materiais subaproveitados, como lentes de webcams que foram descartadas, MDFs e arames.

Conheça a experiência de outros Fab Labs que têm fomentado um ambiente de aprendizaguem maker em várias escolas no País.

Materiais necessários

Como implementar a cultura maker na educação

A empresa Makers sistematizou uma série de práticas que passou a desenvolver junto às escolas em várias partes do País. O fundador da consultoria, Ricardo Cavallini, acredita que, seja qual for o método de ensino, a escola pode tirar proveito da cultura maker e de suas tecnologias, mas é preciso fazer adequações. Conheça, nesta publicação, as várias possibilidades de atividades a serem promovidas pelas escolas.