experiências

High Tech High: rede de escolas da Califórnia personaliza ensino aprendizagem

Iniciativa: High Tech High

Pública ou privada: Públicas de administração privada

Créditos: ReproduçãoDescrição: Na Califórnia, uma rede de escolas vem apontando novos caminhos para o processo de ensino aprendizagem. Conhecidas como HTH (High Tech High), 11 unidades escolares e uma instituição de pós-graduação para professores se baseiam em quatro pilares para promover a educação: personalização, conexão com o mundo, interesse comum em aprender e professor como designer do currículo e do aprendizado.

Na educação básica, são duas escolas de etapa que equivale ao ensino fundamental I, quatro que equivalem ao fundamental II e cinco de ensino médio; todas que se diferenciam já pelo processo de admissão dos alunos. Como há grande procura pelas instituições que são charters (escolas públicas gratuitas de administração privada), a direção resolveu aderir a um sorteio que procura atender a todas as áreas onde as unidades estão presentes. Isso faz com que o corpo de alunos seja diverso, com integrantes de diferentes classes sociais.

Créditos: ReproduçãoNas dependências escolares, os estudantes têm acesso a salas com computadores e laboratórios. Na metodologia prevalece a aprendizagem personalizada baseada tanto no contato direto entre professores e alunos quanto em recursos virtuais. Cada aluno é designado a um monitor, que se torna responsável por fazer um acompanhamento individualizado de seus interesses acadêmicos específicos. Com tal integração entre alunos e professores, as partes se sentem corresponsáveis pelo processo de aprendizagem; no mundo virtual, os alunos são estimulados a manterem suas produções em um portfólio digital, acessível a outros alunos, familiares, docentes e comunidade em geral.

Para conduzirem esse processo dialógico, os docentes do sistema guiam os estudantes em uma metodologia de aprendizagem baseada em projetos. No lugar de disciplinas estanques, os conteúdos são agrupados em eixos temáticos e trabalhados a partir da resolução de problemas concretos, baseados na realidade e interesse dos alunos.  A ideia é que o processo de aprendizagem seja um reflexo real da vida do indivíduo.

Mil ideias

Os projetos dos estudantes são bastante diversos – de estudo de arte aborígene a construções de foguetes e as produções podem ser acessadas no site da rede ou em blogs dos projetos.

As escolas ainda zelam por momentos coletivos em que os alunos possam se reunir em grupos, fazerem reuniões e apresentações coletivas e tenham também tempo para reflexão individual.

Construções transparentes

Outra estratégia adotada pelas escolas é de divulgar o conhecimento produzidos pelos alunos para além do espaço físico das unidades. Para tanto as instalações mais novas já adotaram um padrão arquitetônico que prioriza mais paredes de vidro e luz natural. A ideia é que quem passa pelo entorno da escola possa ao menos visualizar o processo de ensino aprendizagem ali desenvolvido.

Créditos: Reprodução

Além disso, as escolas da rede também se abrem a tours acessíveis a qualquer pessoa que se inscreva por meio do site. O assédio e a curiosidade externa são elementos valorizados pelas HTH.

Pós-graduação

Para encorajar professores a discutirem a proposta metodológica da escola, a rede High Tech High também oferece formação continuada, trabalho este desenvolvido por sua Escola de Pós Graduação (Graduate School of Education). A instituição oferece dois programas de mestrado em educação -Liderança Escolar (School Leadership) e Liderança Docente (Teacher Leadership) -, que têm como missão estimular a capacidade reflexiva e o protagonismo; os métodos, assim como com os estudantes, se baseiam na aprendizagem por projetos. Os cursos são direcionados a educadores de dentro e fora das escolas da rede HTH.

Além disso, há outros programas que visam a qualificação profissional dos educadores. O programa Desenvolvimento Profissional (Professional Development) viabiliza que professores participem de residências e workshops, sempre tendo como base a filosofia dialógica e de “aprender fazendo” da escola.

No Programa Liderando Escolas (Leading Schools Program) os educadores passam por uma formação virtual e presencial pelo período de um ano, buscando que estes possam repensar seu papel e postura, com foco em um processo de ensino aprendizagem mais humano.

Início e duração: Dos anos 2000 aos dias atuais.

Local: Califórnia, Estados Unidos.

Resultados e inspirações:

O projeto das “High Tech Highs” começou nos anos 2000, quando foi lançada a primeira unidade na modalidade, lançada como uma iniciativa de educadores e empresários de San Diego. O processo foi tão bem aceito que a proposta da esocla se expandiu em uma rede integrada de escolas e, mais recentemente, com em iniciativas de formação docente. Ao todo, a rede atende 5200 alunos e centenas de professores em atividades presenciais e a distância.

Segundo a instituição, 98% dos graduados conseguiram alcançar o ensino superior e 75% em cursos com duração mínima de quatro anos, consideradas, nos Estados Unidos, como oportunidades de ensino superior mais sólidas. Dos aprovados, 35% são a primeira geração a acessar universidades; 30% escolhem cursos em ciência e matemática, média muito superior a do país, de 17%.

No seu processo de financiamento, a rede conseguiu reunir mais de 57 milhões de dólares em investimento imobiliário, o que lhe garante maior autonomia orçamentária e possibilidades de investimento no corpo docente e infraestrutura. Anualmente, as escolas operam com um orçamento que chega a 40 milhões de dólares.

Tendo em seu modelo uma fonte de discussão e inspiração no sistema educacional norteamericano, a HTH tem objetivado influenciar políticas públicas, especialmente na legislação do país a respeito das escolas charter.

Da mesma forma, entendendo que o sistema charter é apenas uma das condições da rede, a HTH promove encontros, palestras e publicações – muitas a partir da própria produção dos estudantes -, para influenciar outras escolas e sistemas educacionais nas discussões de aprendizagem por projetos, autonomia docente e da tecnologia a serviço da aprendizagem. Tudo na rede é estruturado em um modelo “open source”, de fonte aberta, para que possa ser discutido e replicado em outras localidades e sistema. Nessa perspectiva, mais de 20 ministros da educação já visitaram a rede em busca de inspirações.

Contatos:
Site: High Tech High

Telefone:  (1) 619-243-5000 – Contato da Unidade The Gary and Jerri-Ann Jacobs High Tech High. Acesse os demais aqui.

Com informações do site da escola e do Porvir – Inovação e Educação