publicado dia 30/03/2017

Antônio Nóvoa: “Não podemos deixar a escola bloqueada por uma pedagogia medíocre”

por

Alunos enfileirados, salas de portas fechadas e escolas isoladas: há tempos os especialistas em educação alertam para o fim do modelo catedrático e apontam tendências e alternativas que estimulam o aprendizado e dialogam com uma sociedade cada vez mais conectada. “Ninguém tem receitas mágicas para a implementação da educação integral”, afirma António Nóvoa, doutor em educação pela Universidade de Genebra.

Leia também: “A escola tem que baixar seus muros para não ser um simulacro da vida real”

“Não quero uma escola onde tudo é maravilhoso, menos o trabalho pedagógico”, afirma Nóvoa.

Crédito: Reprodução

Professor, Nóvoa é reconhecido por seu trabalho a respeito da  formação docente, mas esteve essa semana no lançamento do Prêmio Itaú-Unicef para debater os “Desafios da Educação Integral no Mundo Contemporâneo”, ao lado de Dulce Critelli, da PUC-SP. Ambos enfatizaram a importância da participação social para novas políticas educacionais.  “Toda sociedade é  autoeducadora, e para que exerça esse papel ela precisa preservar tradições e estar aberta ao futuro”, defende Critelli.

E se a crise no atual modelo é consenso entre os participantes, Nóvoa acendeu o debate apontando caminhos e afirmando erros e acertos. “Não podemos deixar a escola bloqueada por uma pedagogia medíocre. É preciso reforçar e enriquecer a aprendizagem e o trabalho pedagógico”.  O Centro de Referências listou os principais questionamentos do especialista. Confira!

Ter uma relação mais cultural e científica com o conhecimento

“Não me interessa uma escola onde se dão aulas, mas onde se trabalha em conjunto. Nesse sentido, a tarefa de um professor de matemática não é ensinar matemática. É formar uma pessoa através da matemática.”

Atenção à competitividade

“Rankings, provas: a educação de qualidade não se constrói através de avaliações.”

Assista na  íntegra a palestra de Antônio Nóvoa realizada no Lançamento do Prêmio Itaú-Unicef .

Uma escola cheia de projetos, empobrecida pedagogicamente

“É preciso reforçar e enriquecer o processo de aprendizagem e dar condições de ensinar. Não quero uma escola onde tudo é maravilhoso, menos o trabalho pedagógico.”

Otimismo tecnológico

“A tecnologia sozinha não resolve a aprendizagem.”

Nem transbordando, nem apenas o básico

“O caminho não é uma escola que faz absolutamente tudo: uma série infinita de matérias e disciplinas e se transborda. Mas também não é fazer reformas e voltar ao básico: apenas  ensinar a ler, escrever e fazer contas.”

Veja cinco pontos para qualificar a formação docente, segundo António Nóvoa