publicado dia 22/03/2016

MEC reformula Mais Educação e reduz seu alcance a 26 mil escolas

por

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou em entrevista coletiva concedida na terça-feira (22/03) que o programa Mais Educação será reformulado e fará parte de uma estratégia que visa atender prioritariamente as escolas cujos estudantes têm graves problemas de alfabetização e letramento.

Na prática, isso significa que os recursos disponíveis para o programa serão direcionados para as 26 mil unidades da rede que, segundo o Ministério da Educação (MEC), respondem por 70% dos problemas de alfabetização do pais.

Todas as escolas públicas do Brasil terão entre os dias 18 de abril e 20 de junho para se inscrever no Mais Educação. Entretanto, terão prioridade de atendimento as instituições consideradas prioritárias.

O Centro de Referências em Educação Integral tem noticiado desde o início do ano passado as consequências do ajuste fiscal sobre o financiamento da principal ferramenta de indução da educação integral no país.

Saiba + Relembre as notícias sobre o Mais Educação em 2015

Segundo Mercadante, o Programa Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), o Mais Educação e o Programa de Iniciação a Docência (Pibid) serão integrados como parte de um esforço para reduzir o problema de alfabetização na educação básica.

Essas 26 mil escolas identificadas pelo MEC terão sua jornada estendida por meio do Mais Educação e contarão com um coordenador do Pnaic que será responsável por aulas de reforço para alunos de 4º ao 9º ano com dificuldades para ler e escrever. Os professores do Pibid também terão que atender prioritariamente a essas escolas.

Existem 13,3 milhões de analfabetos no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Existem 13,3 milhões de analfabetos no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

“Identificamos que 26 mil escolas, que atendem 10 milhões de estudantes do ensino fundamental, são responsáveis por 70% dos problemas de baixo índice de letramento e alfabetização. Por isso, vamos trabalhar com esses três programas em conjunto porque reduzir o problema de alfabetização é o nosso principal desafio”, afirmou o ministro em coletiva.

Mais Educação 

Nascido em 2008, o programa funciona como um grande indutor da educação integral no país. Em 2014, os recursos chegaram para quase 60 mil escolas em todo o país, segundo dados do MEC. No início de 2015, no entanto, surgiram os primeiros problemas.

O governo dividiu os repasses em duas parcelas. Escolas de todo o país apontaram atrasos no recebimento das verbas e, em janeiro de 2016, uma em cada cinco escolas ainda não havia recebido os recursos do programa. Além disso, o governo não abriu inscrições no ano passado.

No final de 2015, o diretor de Currículos e Educação Integral do MEC, Ítalo Dutra já havia afirmado que os recursos do Mais Educação poderiam ser cortados em até 70% no orçamento de 2016.

Programa Mais Educação e uma concepção de educação integral para todo país