publicado dia 16/02/2017

“Eu não quero tirar os meninos da rua, eu quero mudar a rua”

por

Tião Rocha.

É por entender a educação como um movimento plural que Tião Rocha defende que a escola seja um dos espaços promotores de aprendizagem, mas não o único. “A escola é meio; a educação é fim. Por isso, ela [a escola] não é mais importante do que as praças, os parques, o território“, atesta.

Leia + Tião Rocha: uma vida dedicada a resgatar culturas

Para o educador, a rua é o lugar onde se vive a cidadania plena e as crianças e jovens não devem ser privados deste convívio durante seu desenvolvimento. “É o lugar da festa, da religiosidade, do carnaval, das nossas manifestações políticas. Por que queremos tirar os meninos dela em vez de a tornarmos um espaço de aprendizagem permanente, produtor de generosidade e solidariedade?”, questiona.

Para Tião Rocha, a rua é onde se vive a cidadania plena.

Crédito: Camila Ibañez/ Flickr/ Sem uso comercial

Leia + Vinte “pílulas” sobre o ato de educar e ser educador

Em entrevista ao Centro de Referências em Educação Integral, o educador fala sobre a educação enquanto promotora do desenvolvimento integral dos estudantes, o papel da escola e a importância da formação docente nesta perspectiva e a necessidade do diálogo com o território, seus espaços e equipamentos. Confira!

Vinte “pílulas” sobre o ato de educar e ser educador