publicado dia 02/12/2014

Documento defende uso das TICs em escolas latinoamericanas

por

“Compreender o papel que a tecnologia já está desempenhando na necessária transformação da educação na América Latina e como tirar maior proveito dela.” É com essa proposta que a  Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) em parceria com a Fundação Santillana e o Grupo de Comunicação El País desenvolveu a publicação “Tecnologias para a transformação da educação: experiências de sucesso e expectativas”. O texto tem ainda apoio do Google, da Samsung, do Insper, da Fundação Telefônica Vivo e da Microsoft.

Disponível no Banco de Materiais do Centro de Referências em Educação Integral, o documento apresenta dados sobre educação digital, uso das redes digitais entre as crianças e os jovens e experiências educativas para o uso das mídias em escolas e outros espaços de ensino na América Latina. “Longe de tentar esgotar a questão, este documento de reflexão busca abrir novas perspectivas e informar o debate, sempre a partir da evidência empírica”, explica o texto introdutório da publicação.

Embora muitas das experiências retratadas ainda estejam em andamento, elas reúnem elementos capazes de fortalecer o trabalho de outras instituições e educadores. Entre as referências listadas está o programa Escolas que Inovam, em que a Fundação Telefônica atua com as escolas municipais Presidente Campos Salles e Desembargador Amorim Lima, ambas em São Paulo (SP).

TICs na formação dos educadores

Em entrevista ao jornal El País, Francesc Pedró, da Unesco, afirma que ao passo que a América Latina avançou na promoção do acesso à educação, evidenciou-se a demanda de maior qualidade nos processos de ensino-aprendizagem. Para tanto, Pedró defendeu que as crianças precisam estar “aprendendo de verdade e aprendendo coisas significativas para elas”, respaldadas, segundo ele, por professores capazes de mediar esse processo. “Competências não se ensinam, se desenvolvem”, afirmou, ressaltando a necessidade de maiores esforços e investimento na formação docente.

Para os especialistas presentes, o documento vem para apoiar o trabalho docente e, em todos os momentos, reforça a importância do educador na mediação do uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) nos processos pedagógicos. Em uma das práticas discutidas no estudo, uma escola peruana trabalhou por meio de um game a rebelião de Cusco, que aconteceu em 1814.

1814: La Rebelión del Cusco from GrupoAvatar on Vimeo.

“O grupo que conseguiu os melhores resultados foi aquele que tinha as aulas convencionais e o uso dos games em conjunto. Em segundo lugar, apareceu o grupo que só teve uso do game e, em terceiro lugar, o grupo que só teve aulas convencionais, provando que o papel do professor é fundamental, aliado à tecnologia”, justificou o texto do El País.

O documento foi apresentado em Conferência Pública Internacional, durante o I Seminário “Tecnologias para a transformação da educação: experiências de sucesso e expectativas”, realizado no dia 25 de novembro, na capital paulista.

Saiba + TICs na Educação do Brasil

Na Bahia, Cipó forma crianças e jovens para utilizar comunicação como estratégia de mobilização