Pernambuco, uma referência para a educação integral no ensino médio

Publicado dia 24/06/2015

O ensino médio ainda hoje é considerado um desafio para muitos gestores escolares, que tentam por vezes decifrar suas especificidades e meandros. É nessa etapa que as primeiras tentativas de entrada na vida profissional acontecem, ao mesmo tempo que se intensificam atividades e descobertas típicas da juventude. Esses são um dos principais dilemas que os jovens enfrentam na escola, o que se relaciona com um dos grandes problemas: a evasão escolar no ensino médio.

Escola de Referência em Ensino médio Ageu Magalhães / Crédito: divulgação

Escola de Referência em Ensino médio Ageu Magalhães / Crédito: divulgação

A partir desse contexto, o estado de Pernambuco, com o objetivo de eliminar algumas dessas deficiências dentro do estado, criou um programa em educação integral para escolas do ensino médio de sua rede. O programa atualmente abrange 328 escolas do ensino médio que atuam em tempo integral e semi-integral.

A implementação do programa também atendia a uma outra necessidade: melhorar a qualidade do ensino médio, incluindo a qualificação profissional dos estudantes da rede. Assim, o modelo de educação integral pareceu o indicado para atuar em todas as frentes. Pernambuco busca ancorar sua experiência em uma concepção da educação voltada para “o exercício da cidadania e do protagonismo juvenil”, definem em sua página na internet. Esses parâmetros são considerados a base de uma “estratégia para a formação de jovens autônomos, solidários e produtivos”. Desse modo, ao concluir o ensino médio nas escolas de educação integral, o jovem está mais qualificado para a continuidade da vida acadêmica, para a atuação profissional e para a vida.

Referência nacional

O programa pernambucano ultrapassa as barreiras geográficas e inspira outros estados, já que a experiência ajudou a reduzir a taxa de abandono escolar no estado. De acordo os dados do último Censo Escolar do Governo Federal, a taxa de desistência em escolas de tempo integral, em Pernambuco, é de apenas 1,3%.

Em toda a rede estadual, incluindo escolas que não estão dentro do programa de educação integral, apenas 3,5% dos estudantes pernambucanos matriculados em 2014 não concluíram os estudos, segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Em 2007, ano que o projeto em educação integral deu seus primeiros passos, o índice de abandono em toda a rede de ensino médio era de 24,5% e Pernambuco possuía uma das piores taxas do país.

Hoje, a realidade mudou: também de acordo com o Inep, o estado figura entre os dez melhores desempenhos em educação no país.

Como é o cronograma?

Integral:
Total de escolas: 125

Carga horária de 45 horas aulas semanais. As escolas funcionam com atuação em tempo integral nos cinco dias da semana.

Semi-integral:
Total de escolas: 175

Carga horária de 35 horas aulas semanais. As escolas funcionam com atuação de professores em cinco manhãs e três tardes ou cinco tardes e três manhãs. Os estudantes estão presentes em cinco manhãs e entre duas a cinco tardes.

O programa foi gerado a partir de uma experiência feita em parceria com o Instituto de Co-responsabilidade Educacional (ICE), em 2007, com 20 centros de ensino experimental. Em 2008, o programa se firma como política pública e dá início ao trabalho nas primeiras 51 escolas contempladas. Atualmente, ao menos uma escola em cada município funciona com o modelo de educação em tempo integral, ou seja, 100% dos municípios pernambucanos estão incluídos no programa. São 140 mil estudantes atingidos em 184 municípios, além do Distrito de Fernando de Noronha. No início, houve uma reorganização da rede, pois as escolas tinham ensino médio e fundamental no mesmo espaço. Houve a necessidade de uma reestruturação do quadro docente, já que os professores das escolas de referência em tempo integral passaram a trabalhar em regime exclusivo. Se, antes, muitos educadores não queriam estar no programa por conta dessa regra, hoje eles procuram as escolas participantes do projeto para lecionar.

Metodologia

Dentro da política estadual existe o chamado currículo interdimensional, um conceito que dialoga com a educação integral e visa à formação do indivíduo em sua inteireza, o que compreende suas experiências educativas, culturais, sociais, artísticas e esportivas. Antes do início do programa, os docentes passaram por um processo de formação voltado aos valores presentes nas interdimensões curriculares (ver box abaixo). Os estudantes recém chegados são recebidos por alunos das séries seguintes, que lhes dão boas vindas e apresentam os espaços que farão parte de seus cotidianos nos próximos anos.

Interdimensões curriculares

A afetividade, cognição, corporeidade e espiritualidade são aspectos garantidos em todas as escolas que participam do programa. São quatro dimensões interligadas no currículo:

Cognitivo – Todas as disciplinas são interligadas. Matemática, Língua Portuguesa, História, Geografia, Física e outras áreas estão presentes em uma proposta curricular única.

Afetividade – Cada projeto de vida é tratado segundo suas características próprias. Ao chegar na escola, o estudante é estimulado a compartilhar seu sonho, para que possa contar com o apoio necessário na construção desse objetivo.

Corporeidade –  Entre as disciplinas, o aluno ganha consciência da existência do seu corpo como um complexo vívido, repleto de sensações e percepções.

Espiritualidade –  A busca de um sentido na vida é vista também nas questões que transcendem o indivíduo. Não se trata de religião, mas há uma aceitação a todas possibilidades de crença.

Nas escolas de tempo integral, as 45 horas de aulas por semana são divididas em 9 horas de atividades por dia, mas as instituições possuem autonomia para propôr outros arranjos de acordo com os projetos existentes, dentro de suas possibilidades de parcerias, formações de grupos, entre outras composições que contemplem a integração entre as turmas e abra espaço para disciplinas eletivas.

Das 328 escolas, 28 são de ensino técnico, envolvendo 35 áreas de formação, como Logística, Mecânica, Enfermagem, Libras, Jogos Digitais e Design.

Principais resultados:

As escolas de referência em tempo integral no ensino médio do estado de Pernambuco se configuram como um local de construção do pensamento, onde diversos saberes se encontram na ideação de uma educação de qualidade.

Nesse sentido, surgiu a necessidade de disciplinas eletivas que envolvam temas recorrentes e necessários para a vida em sociedade, como Sociologia, Filosofia, Direitos Humanos e Empreendedorismo. Há também a possibilidade de realizar cursos de robótica ou jogos digitais. Além disso, as escolas contam com parcerias de empresas que contribuem com a concessão de materiais usados em determinadas disciplinas, ou que dão apoio financeiro.

Uma gestão intersetorial foi também estabelecida, o que mobilizou a articulação entre a Secretaria da Cultura, Secretaria de Trabalho, Qualificação e Emprego, Secretaria da Saúde e Secretaria da Mulher.

Escola de Referência em Ensino Médio Álvaro Lins, durante Festival de Literatura e Arte / Crédito: divulgação

Escola de Referência em Ensino Médio Álvaro Lins, durante Festival de Literatura e Arte / Crédito: divulgação

Ganhando o Mundo

O Programa Ganhe o Mundo (PGM) é outro recurso da rede de ensino de tempo integral do estado. O prospecto possibilita que estudantes do 1º ano do ensino médio concorram a uma viagem de intercâmbio com a duração de um ano.

Recentemente, uma das estudantes do ensino médio da rede estadual de educação integral de Pernambuco, Thalita Rocha, de 17 anos, foi uma das jovens beneficiadas pelo intercâmbio. Após concluir o ensino médio na Arizona Lutheran School, em Phoenix, nos Estados Unidos, conseguiu uma vaga para estudar Medicina na Universidade de Harvard. A jovem estudará durante nove anos e pretende praticar a profissão no Brasil.

Local: Pernambuco (PE)

Contato: (81) 3183-8200

Responsável: Secretaria Estadual de Educação de Pernambuco

Início: 2008 até os dias atuais

Envolvidos e Parceiros: Secretaria Estadual da Mulher, Secretaria Estadual do Turismo, Secretaria do Trabalho, Qualificação e Empreededorismo, Secretaria da Saúde.

Planos futuros


O Programa tem como uma de suas finalidades viabilizar parcerias com instituições de ensino e pesquisa, entidades públicas ou privadas que visem a colaborar com a expansão do Programa de Educação Integral no âmbito Estadual.
Para o período de 2016 a 2018 a meta a ser atingida é que o número de 28 escolas técnicas estaduais cresça para 40. Já para as escolas de tempo integral há o estudo que vislumbra um novo mapa estratégico para universalização da Educação Integral no estado, que definirá o número de Escolas de Referência a ser implantado nos próximos anos.

Prêmio aos estudos de gênero


Em 2011 o Programa de Educação Integral do Estado firmou uma parceria potente com a Secretaria Estadual da Mulher. O trabalho que visa despertar o respeito às mulheres desde cedo e reverter situações de opressão e violência no futuro, acontece entre as salas de aula das escolas de ensino médio integral e técnico. O Prêmio Naíde Teodósio* de Estudos de Gênero é uma seleção pública anual que tem como prioridade publicar trabalhos voltados à discussão de gênero nas escolas.

Podem concorrer estudantes e professores do ensino médio e técnico, além de alunos de graduação e pós graduação.

Seminário debate políticas de promoção de equidade no ensino médio